Cunha diz que votação do impeachment vai durar três dias

Deputados protestaram contra presidente da Casa após rompimento do PMDB

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta terça-feira (29) que a votação em plenário do pedido de impeachment de Dilma Rousseff deve levar três dias. Réu no Supremo Tribunal Federal por envolvimento com esquema de propina na Petrobras, ele voltou a destacar que presidirá as sessões. 

Deputados do PT, Rede, Psol  e de outros partidos abriram faixas no plenário da Câmara com os dizeres "Fora Cunha!!!" e "Cunha: sem legitimidade para conduzir impeachment", após a oficialização da saída do PMDB. Silvio Costa (PTdoB-PE) acusou o peemedebista e presidente da Fiesp, Paulo Skaf, de ter um "comportamento de canalha" por promover campanha pró-impeachment, e alertou que o PMDB arquiteta um golpe, prometendo cargos em um eventual governo Temer.

"Quero dizer que na comissão do impeachment nós já perdemos. A luta é aqui no plenário", disse o vice-líder, emendando que a cúpula da comissão especial do impeachment foi formada com a "bênção" de Cunha e que este almeja, na verdade, ser vice-presidente da República. "Não vai ser", completou. o presidente da Câmara, que conduzia a sessão, seguiu a votação sem responder às críticas.

Renan Calheiros (PMDB-AL) ressaltou nesta terça-feira que, caso o processo de impeachment seja aprovado na Câmara, ele definirá junto com o Supremo Tribunal Federal (STF) um cronograma para a análise do Senado. 

“Se esse processo chegar ao Senado, e eu espero que não chegue, vamos, juntamente com o Supremo Tribunal Federal, decidir um calendário. A Constituição prevê que esse julgamento aconteça em até seis meses”, garantiu Renan.

O partido dos presidentes das duas casas anunciou oficialmente o rompimento com o governo Dilma Rousseff na tarde desta terça-feira (29), não por contagem de votos mas por aclamação, atestando que a partir de agora os integrantes da legenda não têm permissão para ocupar cargos no Executivo. Os ministros devem entregar os cargos até meados de abril, e o PMDB ainda pode considerar o pedido de outros para licença da legenda.

A Comissão Especial do Impeachment na Câmara dos Deputados suspendeu a sessão por volta das 14h desta terça-feira (29), depois de ter aprovado os primeiros requerimentos de depoimentos de defesa e de acusação dentro do processo.

Prazos do processo de impeachment

Cunha explicou o prazo de votação do processo de impeachment levando em conta o prazo de uma hora para o pronunciamento de cada um dos 25 partidos com representação na Casa, além da possibilidade de cada uma das lideranças usarem a palavra para discursar. 

O prazo para a presidente Dilma apresentar sua defesa termina nesta segunda-feira (4). Após a apresentação, a comissão terá até cinco sessões para aprovar relatório, que vai a plenário para pelo menos duas sessões. A intenção de Cunha seria marcar a votação decisiva para um domingo. Para chegar ao Senado, é preciso o voto de pelo menos 342 dos 513 deputados.

>> Sem contar votos, PMDB anuncia rompimento oficial com governo

>> Comissão do impeachment aprova depoimentos

>> Cunha manobra e apresenta projeto para trocar Conselho de Ética

>> Renan diz que vai pedir apoio ao STF caso impeachment chegue ao Senado