Sérgio Moro diz haver provas contra presidente licenciado da Eletronuclear

Em despacho que autorizou a 16ª fase da Operação Lava Jato, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos inquéritos da operação na primeira instância, afirmou haver "prova relevante” de que o diretor-presidente licenciado da Eletronuclear e vice-almirante da Marinha Othon Luiz Pinheiro da Silva e o executivo da Andrade Gutierrez Flávio David Barra, presos hoje (28) pela Polícia Federal, cometeram crimes de fraude a licitações, corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo Moro, o executivo da Camargo Corrêa Dalton dos Santos Avancini, em delação premiada, afirmou existirem acertos para pagamento de propina em licitações e contratos de obras da Usina Nuclear Angra 3. Além disso, conforme o juiz, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal conseguiram provas de que a empresa Aratec Engenharia, Consultoria & Representações Ltda, de propriedade de Othon Silva, recebeu “pagamentos vultosos” de empreiteiras investigadas pela Lava Jato, como Andrade Gutierrez, e que fazem parte do consórcio Angramon, que venceu a licitação.

“A prova mais relevante, em cognição sumária, de que a Aratec recebeu no mesmo período pagamento das empreiteiras Andrade Gutierrez e Engevix, ambas com contratos com a Eletronuclear, por meio de empresas intermediárias, CG Consultoria, JNobre Engenharia, Link Projetos e Participações Ltda., e a Deutschebras Comercial e Engenharia Ltda., algumas com características de serem de fachada”, diz o juiz no despacho.

De acordo com despacho, a CG Consultoria recebeu da Andrade Gutierrez, em 2012, duas parcelas de R$ 300 mil e repassou R$ 440 mil, também em duas vezes, à Aratec Engenharia. Em agosto de 2011, a CG recebeu R$ 300 mil da Andrade Gutierrez e repassou no mês seguinte R$ 220 mil à Aratec.

Em abril de 2009, a Andrade Gutierrez repassou R$ 300 mil à CG, que pagou R$ 250 mil para a mesma empresa, no mês seguinte.

>> Lava Jato: Juiz bloqueia contas do presidente licenciado da Eletronuclear

>> PF afirma que presidente da Eletronuclear recebeu R$ 4,5 milhões em propina

>> Procurador e PF detalham 16ª fase da Operação Lava Jato

>> Lava Jato: presidente da Eletronuclear e executivo da Andrade Gutierrez são presos 

>> PF deflagra a 16ª fase da Operação Lava Jato

A Deustchebras recebeu em novembro do ano passado R$ 330 mil da Andrade Gutierrez e, no mês seguinte, repassou R$ 252,3 mil para a Aratec. “Identificado, portanto, um padrão de recebimento e repasse de valores da Andrade Gutierrez para a Aratec, utilizando empresas intermediárias”, afirma o magistrado.

Moro rejeitou o pedido de prisão preventiva (sem prazo definido e que pode ser decretada em qualquer fase da investigação) e autorizou a prisão temporária (com duração de cinco dias, podendo ser prorrogada pelo mesmo período) do presidente licenciado e do executivo.

“A medida é menos gravosa aos investigados e propiciará, com a realização das diligências, que esclareçam os fatos e eventualmente infirmem as provas, em cognição sumária”, ponderou. “A prisão temporária é, nesse período, imprescindível para evitar concertação fraudulenta de versões entre os investigados, garantindo que sejam ouvidos pela autoridade policial separadamente e sem que recebam influências indevidas uns dos outros”.