Hillary vai à posse, mas não recebe o cumprimento de Donald Trump

Derrotada nas eleições presidenciais dos Estados Unidos de 8 de novembro do ano passado, durante uma campanha eleitoral agressiva, a ex-secretária de Estado de Barack Obama e ex-primeira-dama durante o governo de Bill Clinton, democrata Hillary Clinton, participou nesta sexta-feira (20) da posse de Donald Trump como presidente da república.

Sinal de que as feridas da disputa presidencial ainda estão abertas, o novo presidente dos Estados Unidos não cumprimentou Hillary Clinton na cerimônia nem mesmo citou a democrata em seu discurso de posse.

Na chegada ao Congresso Nacional, o Capitólio, Hillary, também ex-senadora, disse aos jornalistas que estava ali por honra à democracia. "Estou aqui hoje para honrar a democracia", afirmou Hillary, aplaudida e acompanhada pelo marido, o ex-presidente Bill Clinton.

Manifestações nas redes sociais demonstraram lamentação pela presença da democrata na posse de Trump. Correspondente da Casa Branca, Maggie Haberman comentou surpresa na cobertura ao vivo do jornal The New York Times, já prevendo o encontro, mesmo que à distância, entre o republicano e a democrata.

"É realmente surreal assistir à Hillary Clinton chegando. E será expressivo assistir como Trump vai lidar com a presença dela, o que eu suspeito que o deixará desconfortável", escreveu Maggie.

O ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush e sua esposa, Laura, também participaram da cerimônia de posse do novo mandatário, em Washington. Durante a campanha presidencial, Bush e seu pai, George W.H. Bush, criticaram o magnata por diversas vezes.

Em nível elevado de vigilância para a cerimônia, a polícia de Washington fez diversas intervenções em manifestações contra Trump e chegou a retirar da plateia na área externa do Capitólio uma mulher que se levantou e chamou o presidente de "fascista". Ao menos duas pessoas foram presas por confrontos.

>> Novo site da Casa Branca elimina sessão sobre clima

>> Trump proclama dia do patriotismo e anuncia escudo espacial

>> Trump 'estudou' discursos de Reagan, Kennedy e Nixon