Chapecoense: mais de 70 corpos são resgatados dos destroços

A Aeronáutica Civil da Colômbia informou que 72 corpos já foram retirados dos destroços da aeronave que levava a delegação da Chapecoense. A entidade confirmou ainda que há 75 vítimas fatais no acidente e seis sobreviventes.    

Segundo a entidade, há 150 pessoas envolvidas na busca e resgate das vítimas que "trabalham continuamente para facilitar a recuperação dos corpos".    

"As partes da aeronave foram encontradas a 500 metros da área do sinistro, onde 70% dos corpos estavam se encontrou a fuselagem e nos 30% do terreno eram onde estavam os seis sobreviventes", divulgou a entidade em nota.

O avião que transportava o time da Chapecoense, de Santa Catarina, caiu na Colômbia na madrugada desta terça-feira (29). A equipe seguia para Medellin, onde iria disputar nesta quarta-feira (30) a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional da Colômbia. Seis pessoas sobreviveram: Ximena Suárez, comissária de voo, Erwin Tumiri, técnico da aeronave, ambos atendidos na Clínica Somer de Rionegro, o jogador Alan Ruschel (Hospital de la Ceja), o goleiro Jackson Follmann e o jornalista Rafael Henzel (Hospital de la Ceja). 

Fontes colombianas informaram que o zagueiro Hélio Hermito Zampier Neto também teria sido encontrado nos escombros nesta manhã, durante as operações de busca. 

O goleiro Marcos Danilo Padilha (Fundação San Vicente) estava na lista de sobreviventes, mas faleceu no hospital. Ele tinha sido resgatado com politraumatismo.

>> Chapecoense: ministro diz que caixa-preta de avião foi localizada

>> Nacional pede que a Conmebol dê o título à Chapecoense

>> Aeronáutica da Colômbia confirma morte de Danilo

>> Queda de avião em Medelín matou 20 jornalistas

>> Jogadores devem ser velados na Arena Condá, diz dirigente

>> Também vítima de tragédia, Torino jogará com faixa de luto

Entre os mortos está o jornalista brasileiro Paulo Júlio Clement, que foi editor do caderno de Esportes do Jornal do Brasil, entre outros jornalistas e comentaristas. Ao menos 22 jornalistas da Fox TV, da Globo, RBS e rádios estavam no voo.

O avião estava com 81 pessoas a bordo, sendo 72 passageiros e nove tripulantes, entre jogadores, dirigentes esportivos e jornalistas. O avião era um British Aerospace 146, gerenciado pela companhia boliviana Lamia. Ele teria desaparecido do radar e feito um pouso forçado, devido a uma falha elétrica, em Cerro Gordo, nas proximidades da cidade de La Unión. Fontes locais dizem que a aeronave estava a apenas cinco minutos de voo do aeroporto mais próximo, mas o piloto decidiu arriscar o pouso antes. Ele teria, inclusive, esvaziado os tanques de combustível para evitar uma explosão. 

No texto divulgado no Twitter, o aeroporto informou que a torre de controle recebeu às 22h [hora de Bogotá] comunicado do piloto de que o avião estava em situação de emergência, entre o município de La Ceja e La Unión, com falhas elétricas. Imediatamente, foram mobilizados o Comitê Operativo de Emergência, com a presença de funcionários da prefeitura de Rionegro, da Polícia Aeroportuária, Força Aérea Colombiana, de bombeiros e autoridades.

Com Ansa