Chapecoense: Colômbia atualiza lista de sobreviventes em tragédia aérea

Entre os mortos estão jogadores e jornalistas como Paulo Júlio Clement

A Aviação Civil da Colômbia atualizou o número de mortos e feridos no acidente aéreo ocorrido na madrugada desta terça-feira (29) com o time da Chapecoense. De acordo com as últimas informações locais, 75 pessoas morreram. 

Os sobreviventes são: Ximena Suárez, comissária de voo, Erwin Tumiri, técnico da aeronave, ambos atendidos na Clínica Somer de Rionegro, o jogador Alan Ruschel (Hospital de la Ceja), o goleiro Jackson Follmann e o jornalista Rafael Henzel (Hospital de la Ceja). 

Fontes colombianas informaram que o zagueiro Hélio Hermito Zampier Neto também teria sido encontrado nos escombros nesta manhã, durante as operações de busca. Caso a informação seja confirmada, seriam seis sobreviventes e 75 mortos. 

O goleiro Marcos Danilo Padilha (Fundação San Vicente) estava na lista de sobreviventes, mas faleceu no hospital. Ele tinha sido resgatado com politraumatismo.

Entre os mortos está o jornalista brasileiro Paulo Júlio Clement, que foi editor do caderno de Esportes do Jornal do Brasil, entre outros jornalistas e comentaristas. Ao menos 22 jornalistas da Fox TV, da GloboRBS e rádios estavam no voo. 

>> Anac negou pedido de voo fretado da Chapecoense do Brasil para Colômbia

>> Combustível de avião da Chapecoense pode ter acabado

>> Veja a lista de passageiros do avião que caiu na Colômbia

O avião que transportava o time da Chapecoense, de Santa Catarina, caiu na Colômbia na madrugada desta terça-feira (29). A equipe seguia para Medellin, onde iria disputar nesta quarta-feira (30) a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional da Colômbia. 

O avião estava com 81 pessoas a bordo, sendo 72 passageiros e nove tripulantes, entre jogadores, dirigentes esportivos e jornalistas. O avião era um British Aerospace 146, gerenciado pela companhia boliviana Lamia. Ele teria desaparecido do radar e feito um pouso forçado, devido a uma falha elétrica, em Cerro Gordo, nas proximidades da cidade de La Unión. Fontes locais dizem que a aeronave estava a apenas cinco minutos de voo do aeroporto mais próximo, mas o piloto decidiu arriscar o pouso antes. Ele teria, inclusive, esvaziado os tanques de combustível para evitar uma explosão. 

No texto divulgado no Twitter, o aeroporto informou que a torre de controle recebeu às 22h [hora de Bogotá] comunicado do piloto de que o avião estava em situação de emergência, entre o município de La Ceja e La Unión, com falhas elétricas. Imediatamente, foram mobilizados o Comitê Operativo de Emergência, com a presença de funcionários da prefeitura de Rionegro, da Polícia Aeroportuária, Força Aérea Colombiana, de bombeiros e autoridades.

>> Temer decreta 3 dias de luto por tragédia com Chapecoense

>> Brasil envia avião para repatriação de corpos da Chapecoense

>> CBF suspende final da Copa do Brasil após desastre com Chapecoense

>> Relembre desastres aéreos que chocaram o futebol

>> É um dia muito triste para o futebol, diz presidente da Fifa

>> Avião da Chapecoense já tinha sido usado pela Argentina

>> Queda de avião da Chapecoense é destaque na imprensa mundial

>> Vice-presidente da CBF estava em avião da Chapecoense

* Com Ansa Brasil