Greve dos agentes penitenciários aumenta o risco de rebeliões no Rio

Precariedade e isolamento total dos presos pode facilitar ação de facções, diz especialista

A greve dos agentes penitenciários do Rio de Janeiro pode agravar a crise do sistema prisional e aumentar o risco de haver mais rebeliões. A afirmação é do professor da PUC-Rio e presidente da comissão de segurança pública da OAB-RJ, Breno Melaragna. “Não só pelo fato de os presos não estarem recebendo visita, por exemplo, como pela precariedade. Existe um temor que diante dessa precariedade e isolamento total dos presos, alguma facção criminosa receba informação para iniciar uma série de ações de retaliação fora dos presídios”, acrescentou.

>> Rio: agentes penitenciários entram em greve contra atraso nos salários

>> Agentes penitenciários do Rio relatam "vistorias" de criminosos perto de prisão

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) informou que possui um plano de segurança para manter a rotina das unidades prisionais durante a greve. De acordo com o presidente do Sindicato do Sistema Penal - SindSistema, Gutembergue de Oliveira, em caso de conflito dentro das unidades prisionais, os agentes retornarão para conter a situação. 

Para o professor e para a pesquisadora Jacqueline Sinhoretto, professora da Universidade Federal de São Carlos (UFScar) e coordenadora do Grupo de Estudos sobre Violência e Administração de Conflitos da instituição, o movimento de greve é legítimo uma vez que é um direito trabalhista.

“A greve não é uma novidade, pois ela aparece em um momento que, de um lado tem a crise do estado, e do outro a crise do sistema penitenciário”, disse.

A paralisação, que teve 100% de adesão no Complexo Penitenciário de Gericinó, teve início na madrugada desta terça-feira (17) e deve durar até a próxima segunda-feira (23), quando uma nova assembléia será feita. Além de estarem com o salário de dezembro e com o 13º salário atrasados, os agentes da Secretaria de Administração Penitenciária reivindicam a melhoria das condições de trabalho.

Uma das medidas da paralisação é não permitir que os parentes entrem para visitar os detentos. Por enquanto, só está sendo mantido o fornecimento de alimento, o cumprimento dos alvarás de soltura e a saída de presos para atendimento médico.

“A grande questão é manter os serviços essenciais. A visitação do preso é um direito dele”, destacou Breno Melaragna. 

Governo promete pagamento para esta quarta-feira (18)

Após o anúncio de greve dos agentes penitenciários, o governo do estado informou no fim da tarde desta terça que "os salários de dezembro dos servidores ativos e inativos da Segurança -Polícia Militar, Polícia Civil, Secretaria de Administração Penitenciária e órgãos vinculados, Bombeiros, Defesa Civil e Secretaria de Segurança - serão depositados integralmente a partir das 13 horas desta quarta-feira (18) pela Secretaria de Estado de Fazenda. O valor total a ser depositado será de R$ 623 milhões. Alguns depósitos poderão ocorrer após o fim do expediente bancário". 

* do projeto de estágio do JB

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais