'Serviço do Uber pode representar risco ao usuário', diz parlamentar

O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) se colocou à disposição dos taxistas do Rio de Janeiro na campanha da categoria contra o aplicativo Uber. Milhares de profissionais de vários estados nacionais fizeram grande uma manifestação na manhã desta sexta-feira (24/7), no Aterro do Flamengo, na Zona Sul carioca, para pedir ao poder público maior fiscalização dos serviços prestados pela empresa de tecnologia, que causa polêmica ao prestar também atendimento de transporte. A Prefeitura do Rio entrou com ação na Justiça pedindo a suspensão dos serviços prestados da Uber, alengando falta de segurança aos usuários e outras possíveis ilegalidades.

Leia sobre a manifestação no Rio:

>> Secretário de Transportes pede à Justiça investigação contra atuação do Uber

"A postura da prefeitura foi correta [em entrar com ação na Justiça]. Tem que intervir para preservar o setor e oferecer segurança a população", disse o deputado. Damous considerou que o Uber mantém uma "atividade tecnicamente clandestina". "Porque o serviço de transporte urbano é uma permissão do poder público e eles [Uber] não tem isso, atuam sem qualquer regulamentação, não tem qualquer tipo de obrigação tributaria ou requisito legal exigido de um taxista", explica o parlamentar.

Para o deputado, a metodologia de trabalho do Uber oferece risco ao usuário, que pelo fato da empresa não se enquadrar na legislação, assim o passageiro insatisfeito com o atendimento prestado não poderia recorrer a nenhum órgão de defesa do consumidor. "Em diversas cidades do mundo, as autoridades estão se mobilizando contra este aplicativo", ressalta ele.