Rio: coronel acusado de corrupção tem bens avaliados em R$ 4 milhões

O Ministério Público está investigando o patrimônio dos chefes do grupo de PMs acusados de arrecadar propina de comerciantes na Zona Oeste do Rio. O MP identificou pelo menos três imóveis que pertencem ao coronel Alexandre Fontenelle, ex-comandante do Comando de Operações Especiais (COE) da PM, que foi exonerado do cargo e preso. O patrimônio do coronel é avaliado R$ 4 milhões e conta com uma casa de praia em Búzios, uma cobertura em Jacarepaguá e um apartamento no Grajaú. Ele está sendo acusado de envolvimento num esquema de propina enquanto comandava o 41º BPM (Irajá). 

>>PM do Rio abre inquérito para investigar oficiais da cúpula suspeitos de crimes

>>Ação contra policiais corruptos prende 22 e apreende mais de R$ 300 mil

>>Corrupção no alto escalão da PM é exemplo da falência da segurança no RJ

Ainda segundo o MP, a casa de praia está em seu nome e os outros imóveis no nome de parentes e amigos.O apartamento do Grajaú pertence oficialmente à irmã de Fontenelle. Já a cobertura em Jacarepaguá está no nome da mãe do coronel e de outros dois oficiais que também foram presos, o major Carlos Alexandre Lucas e o capitão Walter Conchone Netto.

>>Cúpula da PM: especialistas defendem intervenção federal para apurar subornos

>>Comandante geral da PM é mantido, apesar da prisão de policiais suspeitos

Diversas informações foram dadas por um policial não identificado em troca de responder o processo em liberdade. Segundo ele, subornos chegavam ao Estado-Maior da corporação. Ele declarou que os batalhões tinham que pagar à cúpula da PM cerca de R$ 15 mil por mês.

Ainda segundo esse PM, os batalhões mais rentáveis eram o de Bangu (14ºBPM, no qual estavam lotados 22 dos 24 presos da operação Amigos SA), Irajá, Rocha Miranda, São Gonçalo e Duque de Caxias.