Manifestantes fazem protesto no Museu do Índio, em Botafogo

Por volta das 4h da madrugada deste domingo (24), a polícia fechou a rua da sede do atual Museu do Índio, na Rua das Palmeiras, em Botafogo, para retirar cerca de 60 pessoas que estavam no local. Índios e manifestantes teriam saído do Hotel Acolhedor Santana 2, no Centro, e ido para o prédio. No início da manhã, o grupo já havia sido retirado do local e foi levado para a sede da Justiça Federal, no Centro. 

Neste sábado (23), funcionários do Estado concluíam a montagem das instalações que abrigarão os índios que foram retirados na sexa-feira (22) da Aldeia Maracanã (antigo Museu do Índio), na Zona Oeste do Rio, em polêmica ação do Batalhão de Choque da Polícia Militar. 

>> Índios foram "tratados como bandidos" pelos policiais, diz cacique Tukano

<< Batalhão de Choque entra na Aldeia Maracanã para retirar índios

>> Ação truculenta na desocupação do Museu do Índio repercute mundialmente

O local onde estão sendo construídos os alojamentos abriga a antiga colônia de Curupaiti, destinada a portadores de hanseníase. O terreno é ocupado por cerca de 2 mil pessoas, sendo 250 hansenianos. O Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) emitiu nota oficial destacando que não se opõe à chegada dos índios, mas reforçando que a ocasião é uma oportunidade para reflexão sobre como a sociedade lida com o problema das populações historicamente excluídas. "As pessoas atingidas pela hanseníase e os indígenas, que lutam pela manutenção de sua identidade étnica e pelo exercício de sua cidadania, fazem parte deste grupo."

Veja a nota:

O Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (MORHAN) vem tornar pública a sua posição em relação à possibilidade da antiga colônia de Curupaiti, em Jacarepaguá, receber os índios retirados da Aldeia Maracanã na manhã desta sexta-feira, 23/03. O Morhan atua há mais de três décadas no enfrentamento do preconceito e do estigma ainda associado à doença, sendo um movimento que valoriza e busca a garantia dos direitos humanos.

Em função disso, deixamos claro que o Morhan não se opõe a chegada dos índios, que serão bem recebidos pela população que hoje vive na antiga colônia. Porém, a ocasião é oportunidade valiosa para uma reflexão sobre como a sociedade lida com o problema das populações historicamente excluídas. As pessoas atingidas pela hanseníase e os indígenas, que lutam pela manutenção de sua identidade étnica e pelo exercício de sua cidadania, fazem parte deste grupo.

Terreno

Os índios escolheram na sexta-feira o terreno de Jacarepaguá, oferecido pelo governo do estado, para construir o alojamento provisório. Em nota, o governo afirmou que o Centro de Referência da Cultura Indígena, que antes seria na Quinta da Boa Vista, também será construído no local. No entanto, de acordo com o cacique Carlos Tukano, um dos líderes do grupo, ainda haverá um diálogo sobre essa possibilidade, pois os índios preferem que o centro de referência seja no Centro da Cidade.

"Escolhemos o terreno em Jacarepaguá que é uma área ampla, com bastante vegetação, mas o Centro de Referência Indígena queremos na região central. Vamos sentar para conversar com o governo sobre essa questão", afirmou Tukano.

Os indígenas visitaram na sexta (22) os três locais oferecidos pelo estado, acompanhados da subsecretária de Assistência Social e Descentralização da Gestão, Nelma de Azeredo, e optaram pelo terreno de Jacarepaguá, que tem dois mil metros quadrados. Além do bairro da Zona Oeste, eles tinham a opção de escolher um espaço em Bonsucesso ou ao lado do galpão da empreiteira Odebrecht, na Avenida Visconde de Niterói.

“Os índios foram conhecer o espaço que lhes oferecemos em Jacarepaguá, na antiga Colônia Curupaiti, e gostaram tanto que decidiram ficar por lá desde já. Eles decidiram também que o Centro de Referencia da Cultura Indígena será construído na mesma área. Isso torna tudo mais fácil, porque não teremos que esperar o presidio da Quinta da Boa Vista ser desativado para começarmos as obras do Centro”, afirmou o secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, contrariando Tukano no que se refere ao Centro de Referência Indígena.

Os alojamentos para residência temporária contarão com beliches, contêiner cozinha e contêiner banheiro, sendo um feminino e um masculino. Os índios serão transferidos do Hotel Acolhedor Santana II, onde estão hospedados no momento, no domingo. No alojamento, eles também receberão kits de higiene pessoal e de limpeza, água, cestas básicas, toalhas e cobertores.