Índios descontentes buscam outro imóvel para se alojar

Um grupo de índios que discordou da escolha do terreno em Jacarepaguá para se abrigar, após a retirada da Aldeia Maracanã (antigo Museu do Índio), na Zona Norte do Rio, participa de audiência da Justiça Federal com o objetivo de buscar um outro local de abrigo.

Enquanto 13 deles chegaram neste domingo a Jacarepaguá onde ficarão provisoriamente, outra parte, descontente com a escolha, se dirigiu nesta madrugada ao atual Museu do Índio, em Botafogo, na Zona Sul. O grupo, que seria integrado por 54 pessoas, entre índios e ativistas, foi retirado pela polícia e levado para a sede da Justiça Federal, no Centro. Uma audiência está sendo realizada para tentar resolver o impasse. 

O juiz federal Wilson José Witzel determinou que fosse feita uma vistoria na sede do Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), no terreno ao lado da Aldeia Maracanã, possível opção para o grupo dissidente - de 13 índios e 41 militantes que apoiam o movimento -, mas ficou constatado que o local não apresenta condições seguras para ocupação. Uma nova audiência, a portas fechadas, será realizada ainda neste domingo para tentar se chegar a uma outra solução. 

A desocupação da Aldeia Maracanã, na sexta-feira (22), foi marcada pelo confronto entre o Batalhão de Choque da PM e manifestantes.

>> Índios foram "tratados como bandidos" pelos policiais, diz cacique Tukano

<< Batalhão de Choque entra na Aldeia Maracanã para retirar índios

>> Ação truculenta na desocupação do Museu do Índio repercute mundialmente