Cabral desmente Marta Suplicy sobre tombamento do Museu do Índio

Ministra defendeu Aldeia Maracanã que governo do Rio diz ser "invasão"

O governo Sérgio Cabral desmentiu a ministra da Cultura, Marta Suplicy (PT), negando que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão ligado ao Ministério da Cultura (MinC), tenha recomendado ao estado do Rio tombar o antigo Museu do Índio, onde hoje vivem os indígenas da Aldeia Maracanã, que lutam para permanecer no local.

Na manhã desta quinta-feira (24), a assessoria da ministra divulgou nota na qual Marta manifestou a posição do seu ministério favorável à preservação da cultura indígena, com a permanência dos índios no local. Numa estocada  ao governo do estado, ela teria comentado com o vice-governador Luiz Fernando Pezão esperar que “prevaleça a sensibilidade do governo do estado".

No final da tarde, porém, ela recebeu o troco. Em nota divulgada pela assessoria do Palácio Guanabara, o governo estadual lamentou a posição da ministra sobre o caso, desmentiu qualquer pedido de tombamento do velho prédio e classificou a "Aldeia Maracanã" como uma invasão.

"Há uma verdadeira distorção dos fatos históricos e recentes. O governo do Rio tem trabalhado com as aldeias indígenas do nosso estado de forma respeitosa e parceira", diz a nota. "O Maracanã sim é tombado. E será renovado e modernizado para o Brasil e para o mundo". 

Advogado estranha declaração

Também o advogado da União Murilo Stratz, encarregado de manifestar a posição da União no processo em tramitação no Tribunal Regional Federal do Rio que analisa a suspensão da demolição do prédio, estranhou a manifestação da ministra. Segundo ele, o que consta de diversos processos são manifestações do Iphan não demonstrando interesse no tombamento do prédio.

Stratz tem até segundo-feira (28) para levar ao TRF-2 a posição do governo federal sobre o caso. Para isto, ele tem procurado ouvir os diversos órgãos diferentes como ministérios do Esporte, da Justiça, da Cultura, Iphan e o Grupo Executivo da Copa do Mundo.

Confira abaixo a íntegra da nota:

"O governador do estado jamais recebeu recomendação do Iphan para preservar o prédio que nem é tombado pelo próprio Iphan, apesar do próprio ser federal até dois meses atrás. Titular do Iphan durante os últimos anos, o arquiteto Carlos Fernando defendeu a sua demolição. O Maracanã sim é tombado. E será todo renovado e modernizado para o Brasil e para o mundo. 

O objetivo do governo é garantir a urbanização e mobilidade do público em torno do Maracanã. Há uma verdadeira distorção dos fatos históricos e recentes. O governo do Rio tem trabalhado com as aldeias indígenas do nosso estado de forma respeitosa e parceira. 

Chamar de "aldeia maracanã" a invasão em 2006 de um prédio federal abandonado é na verdade um desrespeito ao conceito de aldeia indígena.  

O governo do estado lamenta que a ministra da Cultura tenha se posicionado dessa maneira. Quanto ao respeito à diversidade, não há nesse país um governo estadual que mais lute por isso."

>>Veja o que disse Marta Suplicy 

*Do Programa de Estágio do Jornal do Brasil