Morte de juíza teria sido comemorada com churrasco por PMs, diz primo

Humberto Nascimento, primo da juíza Patrícia Lourival Acioli, 47 anos, assassinada na última quinta-feira em Piratininga, região oceânica de Niterói (RJ), afirmou nesta segunda-feira que a morte dela teria sido comemorada por policiais com um churrasco em São Gonçalo. 

A declaração foi dada durante um protesto realizado no início da tarde desta segunda-feira por amigos e parentes da vítima em frente à 4ª Vara Criminal de São Gonçalo.

Além da afirmação, o primo criticou a postura do governo do Rio, que descartou a colaboração do Polícia Federal no caso.  Cerca de 50 pessoas se amordaçaram em frente à 4ª Vara Criminal com panos pretos e jogaram rosas com uma faixa com os dizeres: "Quem silenciou a voz da Justiça?"

>> Disque-Denúncia recebe 72 informações sobre assassinato da juíza Patrícia Acioli

>> Parentes de juíza e moradores de SG cobram punição

>>> Seis PMs são presos com ordem de juíza assassinada no Rio

>>> Força-tarefa de 3 juízes substituirá magistrada morta no Rio

>>> Mãe que denunciou PMs a juíza morta diz se sentir insegura

>>>Polícia Civil tem 20 homens envolvidos nas investigações de morte de juíza

O Disque-Denúncia já recebeu 72 informações sobre o assassinato da juíza Patrícia Lourival Acioli. Segundo nota divulgada pelo Disque-Denúncia, todas as informações estão sendo encaminhadas diretamente para Delegacia de Homicídios da Capital, onde estão os inspetores responsáveis pelas investigações. Quem tiver alguma informação a respeito dos autores do assassinato, pode ligar para o telefone 2253-1177. O anonimato é garantido.