Carro de juíza assassinada em Niterói passa por perícia 

Técnicos fazem a perícia do carro da juíza Patricia Acioli, morta a tiros na madrugada desta sexta-feira, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. O veículo foi atingido por pelo menos 15 tiros. A perícia está sendo feita na Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

O marido de Patrícia, um policial militar, está prestando depoimento neste momento. Ele vai dar informações sobre a rotina da mulher. Outras testemunhas também serão ouvidas pela polícia. 

Equipes da Divisão de Homicídios também estão na 4ª Vara de São Gonçalo, onde Patricia trabalhava, e na casa da juíza, em Niterói. As imagens das câmeras de segurança do condomínio onde a juíza morava também são analisadas pela polícia.

>> Juíza é executada com 15 tiros na Região Oceânica de Niterói

>> Ex-presidente do TJ, Zveiter nega ter retirado escolta de juíza assassinada

>> Juíza assassinada em Niterói tinha várias sentenças contra policiais militares

>> Cabral exige rapidez no esclarecimento do assassinato de juíza

>> Associação de juízes federais critica falta de segurança para magistrados 

>> OAB quer saber por que juíza assassinada estava sem escolta

Entenda o caso

Homens em duas motos e um carro mataram com pela menos 15 tiros a juíza Patrícia Lourival Acioli, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, na madrugada desta sexta-feira. Dos 15 tiros, oito atingiram diretamente o vidro da motorista.

Patrícia Acioli estava em uma lista com 12 nomes encontrada com Wanderson Silva Tavares, o Gordinho, preso em janeiro deste ano no Espírito Santo. Ele seria o chefe de um grupo de extermínio, acusado de 15 mortes em São Gonçalo. Segundo seus parentes, a mulher também já havia recebido ameaças de milicianos.