'Clarín': Saída de Serra do governo Temer surpreende 

Reportagem diz que Ministro saiu em meio ás investigações da Lava Jato 

Matéria publicada nesta quinta-feira (23) pelo Clarín afirma que a renúncia de José Serra do Ministério das Relações Exteriores é uma das principais notícias nos países da América do Sul. Na Argentina, onde sua defesa de abertura do Mercosul tinha respaldo do governo Macri, Serra foi também alvo de protestos durante uma visita.

Segundo a reportagem Serra enviou carta de renúncia ao presidente Michel Temer na quarta-feira (22) alegando problemas de saúde para deixar o cargo. De acordo com fontes, Temer ainda tentou que Serra continuasse no cargo, mas aceitou sua renúncia.

O diário informa que o agora ex-ministro foi submetido em dezembro passado a uma cirurgia na coluna cervical e não poderia viajar durante quatro meses. A saída de Serra gerou especulações sobre o estágio em que se encontra a aliança entre o partido de Temer, PMDB, e seu partido, o PSDB. Até o momento, a expectativa é que a pasta continue com o PSDB.

> > Clarín Renunció el canciller de Brasil José Serra por problemas de salud

O noticiário acrescenta que Serra, de 74 anos, solicitou a saída do cargo informando ainda dificuldades para o trabalho também no cotidiano, devido aos mesmos problemas de saúde.

Nos nove meses em que esteve à frente do Itamaraty, ele fez viagens como a Buenos Aires, onde foi alvo de protestos, India e China, entre outros, diz o Clarín.

O jornal argentino destaca que ele deixa o governo no momento em que a política externa brasileira aparece sem o brilho de outros tempos no cenário internacional. Na sua gestão, Serra foi criticado pelos chamados ‘bolivarianos’ (presidentes da Venezuela, do Equador e da Bolívia) por ser parte do governo Temer e por sua linha política de defesa da abertura do Mercosul e a suspensão da Venezuela do bloco.

O Clarín ressalta que Serra sai quando as investigações sobre a Lava Jato continuam e têm final ainda distante e imprevisível podendo incluir novos nomes de políticos brasileiros.

Leia também

> > 'Washington Post': Odebrecht exportou corrupção do Brasil para América Latina

> > 'La Tribune': Brasil e Marrocos devem assinar acordo inédito