Sem diploma de nível superior, tese de fuga de Eike Batista é reforçada 

O fato de Eike Batista não ter diploma de nível superior e, consequentemente, ter que ocupar uma cela com presos comuns, caso volte espontaneamente ao Brasil, reforçou entre analistas políticos e fontes ligadas à Polícia Federal a tese de que o empresário fugiu do país.

Embora o advogado de Eike tenha dito nesta quinta-feira (26) que o empresário pretende se entregar à Justiça o mais breve possível e que ele estaria em Nova York, nos Estados Unidos, para reunião de negócios, chamou atenção que a viagem para fora do país tenha sido às vésperas da deflagração da Operação Eficiência, que cumpriu nesta manhã mandados de prisão preventiva, incluindo uma ação na casa do empresário, no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio.

>> PF apreende Lamborghini de Eike Batista

A informação de que Eike utilizou um passaporte alemão para embarcar para os Estados Unidos também fez com que a PF alertasse nesta quinta-feira (26) a Interpol para ajudar nas buscas e para a emissão de um mandado de prisão internacional. Filho de uma alemã, Eike tem dupla cidadania, por isso a suspeita de que ele poderia fugir dos Estados Unidos para a Alemanha.

A Polícia Federal apura se houve vazamento da operação. A PF recebeu os mandados de prisão preventiva da Justiça Federal na quarta-feira. A inserção no sistema para proibição de saída do País só ocorreu, portanto, depois que Eike já estaria fora do país.

Nesta quarta-feira (25), a mulher de Eike, Flávia Sampaio, viajou para Nova York com Badur, o filho de três anos do casal, para encontrar o empresário. Segundo informações da Globonews, o ex-bilionário comprou bilhete apenas de ida para Nova York.

>> Mídia internacional repercute tentativa de prisão de Eike Batista

>> Empresa de Eike Batista pagou propina a Eduardo Cunha, diz delator