'La Nación': Gustavo Arribas nega ter recebido propina e qualquer vínculo com Odebrecht

Chefe da Agência de Inteligência Federal (AFI) emitiu comunicado e colocou à disposição da Justiça

Matéria publicada nesta quinta-feira (12) pelo jornal la Nación conta que o chefe da Agência de Inteligência Federal (AFI), Gustavo Arribas, negou em um comunicado qualquer relação com a empresa Odebrecht, e com o operador Leonardo Meirelles, no caso da Lava Jato.

La Nación revelou que Meirelles, condenado pela Justiça do Brasil na investigação de corrupção chamado Lava Jato, apontou cinco transferências realizadas em 2013 com valor de cerca de US$ 600.000 para uma conta em nome do chefe da inteligência atual. As ordens vieram um dia depois do contrato da Odebrecht para o metro de Sarmiento.

De acordo com o diário argentino Arribas admitiu ter recebido uma transferência de US$ 70.000 com a venda de uma propriedade em San Pablo, mas ele disse que não recebeu as outras quatro transferências. Ele negou qualquer relação com Meirelles, assim como Alberto Youssef, que também foi condenado à prisão pela Lava Jato. 

> > La Nación Gustavo Arribas negó haber recibido US$ 600 mil y rechazó cualquier vínculo con la empresa Odebrecht

La Nación informou que Meirelles transferiu um total de US $ 594.518, em cinco operações bancárias para uma conta na Suíça para Arribas entre 25 e 27 de Setembro de 2013, a partir de uma conta bancária em Hong Kong que a operadora brasileira controlava através da RFJ, empresa Import & Export Co., Ltd., chamada de "empresa de fachada" para o pagamento de suborno, lavagem de dinheiro e evasão fiscal.

Quando Meirelles ordenou  estas transferências, Arribas vivia no Brasil, onde estava envolvido na venda de jogadores de futebol. Até então, ele tinha uma longa relação de amizade e confiança com o atual presidente Mauricio Macri, naquela época chefe do governo da cidade.

Nos registros que La Nación teve acesso não foram comprovadas as razões para tais pagamentos, mas constam sim as transferências para a conta em Zurique.

A declaração completa Arribas

"Devido à construção jornalística que visa me conectar com os fatos investigados na operação Lava Jato sou obrigado a relatar que a transferência de US$ 70.475 realmente creditado na minha conta, corresponde a parte da pagando pela venda de um edifício de minha propriedade na cidade de San Pablo. Para o outro jornalista, citado em nota de rodapé, reitero como foi explicado com antecedência para a publicação em questão, que eu nego enfaticamente ter recebido outras transferências. Além disso, nego absolutamente ter qualquer ligação com a empresa Odebrecht, com Leonardo Meirelles, Alberto Youssef e/ou qualquer pessoa envolvida na investigação da Lava Jato. 

Lamento a publicação de um artigo anterior sendo subjetivo, malicioso e julgando antes de buscar a verdade. Finalmente eu me coloquei a disposição da Justiça para contribuir no que for necessário". 

Leia Também

> > 'El País': Protofascismo defende morte de presos no Brasil

> > 'Financial Times': Após "pavoroso acidente", Brasil vê melhora na economia

>> 'Deutsche Welle': Vice-presidente da Samsung é acusado de corrupção

> > 'WSJ': Entre Trump e Raúl Castro, futuro do setor privado de Cuba é incerto

> > 'Clarín': Macri falou a Temer quem vem ao Brasil dia 7 de Fevereiro