Observatório sismológico da UnB registrou abalos sísmicos na região de Mariana

Aspectos como detonações para extração de minérios podem causar os abalos

A região do município de Mariana (MG), onde duas barragens da mineradora Samarco romperam na tarde desta quinta-feira (5), registrou cerca de dez abalos sísmicos, segundo o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB). Dois deles puderam ser sentidos, já os demais eram de menor magnitude.

Para o professor do observatório, George Sand França, não há informações que comprovem a ligação entre os abalos e as causas do rompimento das barragens. “É uma região que tem atividade sísmica”, disse, explicando que aspectos como detonações para extração de minérios ou eventos naturais podem causar os abalos.

>> Rompimento de duas barragens em MG deixa um morto e 16 desaparecidos

>> Bombeiros já resgataram 500 vítimas

>> Mariana: 6 pacientes recebem alta; um continua internado

>> Arquidiocese de Mariana lamenta tragédia e fala em centenas de vítimas

Na tarde de ontem (5), o observatório da UnB registrou os dois abalos principais: o primeiro às 14h02, com magnitude 2,5 graus na Escala Richter, e o segundo às 14h03, com 2,7 graus de magnitude. Os outros abalos próximos à região tiveram magnitude inferior aos 2,5, segundo o professor.