Procurador-geral da República considera legais gravações contra Demóstenes

As gravações telefônicas realizadas pela Polícia Federal (PF) na Operação Monte Carlo, e que mostram a ligação entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira e o senador Demóstenes Torres, são legais. A conclusão é do procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Segundo ele, "as provas são plenamente válidas". "De acordo com a jurisprudência, não existe qualquer nulidade", enfatizou o procurador.

>>Escutas da PF mostram ligação de promotores do DF e Cachoeira

>> Valadares: Há no Senado 'clima de frieza e decepção' em relação a Demóstenes 

>> Alvaro Dias quer comando compartilhado da CPMI do caso Cachoeira 

>> Miriam Belchior promete apurar denúncias contra Delta

>> OAB-RJ: esquema funcionava como polvo de vários tentáculos

Roberto Gurgel lembrou ainda que a descoberta da ligação entre Demóstenes e Cachoeira foi um "achado fortuito". "O senador Demóstenes jamais foi alvo das interceptações telefônicas, que tinham por alvo Cachoeira e outras pessoas não detentoras de prerrogativa de foro e por isso podiam ser, como foram, autorizadas pela Justiça Federal em Goiás", esclareceu.

O teor das conversas poderá ser usado como prova contra o senador no inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal para investigar a relação com Cachoeira.

Sobre Agnelo Queiroz, o procurador disse não ter encontrado ainda elementos suficientes para iniciar uma investigação sobre as possíveis ligações entre Cachoeira e o governador do Distrito Federal. Segundo ele, até agora só feita uma análise parcial de toda a documentação encaminhada pela Polícia Federal.