'Deutsche Welle': Vice-presidente da Samsung é acusado de corrupção

Lee Jae-yong, herdeiro do conglomerado sul-coreano, corre risco de ser preso

Matéria publicada nesta quinta-feira (12) pelo Deusche Welle conta que o vice-presidente e herdeiro da Samsung Electronics, Lee Jae-yong, foi interrogado nesta manhã como suspeito de um crime de suborno relacionado ao escândalo de corrupção que levou ao impeachment da presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye.

Welle diz que Lee, de 48 anos foi questionado devido a suspeitas de que o maior conglomerado do país teria apoiado financeiramente Choi Soon-sil, pivô do escândalo de corrupção. Amiga íntima da presidente, Choi teria interferido em assuntos de Estado sem possuir cargo público. Ela é acusada de extorquir, com a cumplicidade de Park, dezenas de milhões de dólares dos principais grupos empresariais do país através de duas fundações. Ela teria se apropriado de parte dos fundos.

Segundo a reportagem os investigadores acreditam que o grupo Samsung assinou um contrato no valor de 22 bilhões de wons (cerca de 18,3 milhões de dólares) com uma empresa sediada na Alemanha, de propriedade de Choi. O conglomerado teria ainda apoiado financeiramente sua filha, que se dedica ao hipismo, para que treinasse no país e comprasse novos cavalos. Alguns relatos sugerem que o contrato foi assinado em troca do apoio do fundo de pensão estatal – cujo presidente foi preso em dezembro por suposta participação no escândalo – a um importante acordo de fusão entre as filiais da Samsung em 2015.

De acordo com o diário alemão os investigadores avaliam se o gabinete presidencial pressionou para que o fundo estatal apoiasse a fusão em troca de favores da empresa para Choi. Em dezembro, Lee negou o acordo. A Samsung também doou 20,4 bilhões de wons (16,3 milhões de dólares) para duas fundações operadas por Choi. A empresa afirma que a verba era destinada a promover a cultura e o esporte do país no exterior.

Um porta-voz da procuradoria sul-coreana disse que os investigadores vão decidir se Lee deve ou não ser alvo de um mandado de prisão. Eles avaliam se o herdeiro da Samsung mentiu durante uma audiência no Parlamento em dezembro sobre o envolvimento de sua empresa no escândalo. Ele pode ainda ser acusado de fraude e quebra de confiança, finaliza Deutsche Welle.

Leia Também

> > 'Clarín': Operador da Odebrecht teria transferido fundos para assessor da Argentina

> > 'El País': Protofascismo defende morte de presos no Brasil

> > 'Financial Times': Após "pavoroso acidente", Brasil vê melhora na economia

>> 'Deutsche Welle': Vice-presidente da Samsung é acusado de corrupção

> > 'WSJ': Entre Trump e Raúl Castro, futuro do setor privado de Cuba é incerto

> > 'Clarín': Macri falou a Temer quem vem ao Brasil dia 7 de Fevereiro

> > 'La Nación': Gustavo Arribas nega ter recebido propina e qualquer vínculo com Odebrecht