Reeleito, Raúl Castro promete deixar o poder em 2018 

Reeleito para um segundo mandato de cinco anos, o presidente de Cuba, Raúl Castro, prometeu deixar o poder em 2018. A Assembleia Nacional reelegeu Castro para a Presidência do Conselho de Estado, segundo um comunicado da agência estatal 'Prensa Latina'. 

Raúl Castro e seu irmão, Fidel, de 86 anos, participaram da sessão de formação do novo Parlamento. O engenheiro Miguel Diaz-Canel , de 53 anos, foi eleito novo vice-presidente do regime cubano. 

Esteban Lazo, um dos homens fortes do Partido Comunista e um dos políticos negros que chegaram mais alto nas estruturas do poder em Cuba, assumiu, aos 68 anos, a liderança da Assembleia Nacional, após duas décadas sem mudanças na presidência dessa câmara.

Lazo, um dos vice-presidentes do Conselho de Estado, foi eleito pela Assembleia como seu novo titular para um mandato de cinco anos que se estenderá até 2018, sucedendo Ricardo Alarcón, que ocupou esse posto desde 1993.

Além do anúncio de que vai deixar o poder dentro de cinco anos, Raúl Castro também disse que vai introduzir na constituição cubana a limitação dos cargos políticos a um máximo de dez anos.

"Em meu caso, independentemente da data em que se aperfeiçoe a constituição, este será o último mandato", disse o general Castro no discurso que pronunciou durante a Assembleia Nacional (Parlamento unicameral), após ser ratificado pela câmara.

>> Novo presidente do parlamento cubano é eleito 

>> Em segunda aparição após eleições, Fidel Castro participa de assembleia

>> Em clima de paz, blogueira cubana conhece as praias do Rio

Com 81 anos, Raúl se tornou presidente interino do país quando seu irmão, Fidel, ícone da Revolução Cubana, ficou doente em 2006. Em 2008, tornou-se presidente formalmente.

Não houve surpresas na reeleição de Raúl Castro na presidência, embora tenha brincado com a possibilidade de sua renúncia na sexta-feira. Neste mandato, ele deve seguir com as reformas empreendidas desde que assumiu o cargo. Também deve ser instruído um novo líder que governará a ilha comunista a partir de 2018.