Eu sou Davi, nós jovens negros queremos uma resposta: Cadê Davi?

Davi Fuiza é um jovem de 16 anos, morador do bairro Parque São Cristóvão, em Salvador/BA. Ele está desaparecido há mais de 15 dias. A população afirma que seu desaparecimento aconteceu após a intervenção policial do Pelotão de Emprego Tático Polícial (PETO) e carros sem identificação no bairro, no dia 24 de outubro de 2014, às 7h. As testemunhas relatam que, durante a “batida”, Davi foi levado pela polícia com pés amarrados e sua cabeça coberta com a camisa que vestia. 

Até hoje nenhuma notícia. Insistimos: #CadêDavi? A nossa luta faz parte de um movimento maior que envolve #OndeEstaAmarildo e Douglas com seu pedido: Por que o senhor atirou em mim? Vai da luta contra a impunidade a Claudia Silva, o pedido de investigação imediata da “Chacina de Belém/PA”, até as tantas outras ocorrências envolvendo jovens negros mortos ou desaparecidos em todo o país, cerca de 38% dos assassinatos só em 2012. 

Estas ocorrências têm relação direta com a violência policial, arquitetada pelo racismo institucional com que os instrumentos de Segurança Pública brasileiros operam, autos de resistência, perfis suspeitos e ostensividade. #MeDeixemViver O mês de novembro é um momento de mobilizar a sociedade para debater o Fim dos Autos de Resistência, com a aprovação do PL 4471/2012, e para exigir aos órgãos competentes, tais como Governo do Estado da Bahia, Secretaria de Segurança Pública, Ministério Público, entre outros responsáveis pela segurança e justiça... 

#CadêDavi ? Participe você também do Tuitaço. Vamos usar as hashtags: #CadêDavi e #SomosTodosDavi e aumentar essa corrente

* Walmyr Júnior é professor. Representante do Coletivo Enegrecer no Conselheiro Nacional de Juventude - CONJUVE. Integra Pastoral da Juventude e a Pastoral Universitária da PUC-Rio. Representou a sociedade civil no encontro com o Papa Francisco no Theatro Municipal, durante a JMJ.