Niemeyer, entre Darcy e Brizola, na criação da Uenf

Tive o privilégio de participar de uma das poucas experiências inovadoras no ensino superior brasileiro, procurando retomar uma experiência comprovadamente positiva na criação da USP, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Unicamp e da Universidade de Brasília. Refiro-me à criação do que é hoje a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, com seu campus central localizado na cidade de Campos dos Goytacazes, mas presente em vários municípios localizados nas regiões Norte e Noroeste doestado do Rio de Janeiro.

A Constituição do estado do Rio de Janeiro, promulgada em 1999, previu a criação de uma universidade pública na Região Norte Fluminense. Leonel Brizola, como governador do estado, foi facilmente convencido por Darcy Ribeiro a aproveitar a oportunidade para criar uma instituição inovadora,comprometida com a existência de um corpo docente constituído exclusivamente por pesquisadores com doutorado motivados a desenvolverem projetos em áreas estratégicas para o desenvolvimento do país e a formarem recursos humanos de alto nível.

Darcy, com sua rara capacidade de convencimento, logo agregou à sua equipe Gilka Alves Weinstein, com larga experiência administrativa, um grupo de pesquisadores oriundos dos melhores centros de pesquisa do país, e Oscar Niemeyer, para com sua criatividade pensar um projeto arquitetônico para a nova universidade. Tive a honra de ser convidado por Brizola e Darcy para ser o primeiro reitor e implementar a Uenf. Esta foi uma experiência única de convivência acadêmica com professores e alunos entusiasmados e com um dos maiores arquitetos do país, que após o seu falecimento aos quase cento e cinco anos de idade, tem sido justamente reverenciado por todos, no Brasil e no exterior, com um dos grande nomes da arquitetura mundial.

Acompanhei Oscar Niemeyer em várias visitas a Campos para a escolha da área onde a universidade seria construída. Optou sempre por espaços à margem do belo Rio Paraíba do Sul que, serpenteando por São Paulo e por Minas, margeando o vale do Paraíba, tem sua foz bem próximo de Campos. Escolhido o espaço, profundas discussões em seu escritório de Copacabana, sempre com a presença de Darcy.

Tínhamos pressa, pois era importante iniciar as atividades da universidade o mais rapidamente possível. Surge então a ideia de aproveitar a estrutura existente para a construção dos CIEPs como base para a universidade. Oscar surpreende a todos com um belo projeto de distribuição destes edifícios retos com outros edifícios ondulados, uma de suas marcas clássicas, dispostos na forma de um cocar, procurando assim homenagear os bravos índios goitacazes que povoaram a região. Não posso esquecer a emoção do antropólogo Darcy Ribeiro ao ver o projeto e seu posterior entusiasmo ao mostrá-lo para Brizola, que o aprovou imediatamente.

Surgiu então, de uma área descampada à beira do Paraíba, o que hoje constitui o campus Leonel Brizola da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Além dos cinco CIEPs, três prédios ondulados e um outro prédio em arcos, o campus foi ainda embelezado por dois outros edifícios marcantes, ambos da lavra de Oscar Niemeyer, construídos pelos governadores Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho. Refiro-me aos belíssimos Hospital Veterinário e Centro de Convenções, que certamente embelezam a paisagem.

Como foi agradável conviver com Oscar e sua equipe entre 1992 e 2006 durante o período de construção da Uenf! Ele não abria mão da sua intuição artística e da defesa do belo, mas estava sempre aberto ás sugestões quanto ao melhor aproveitamento do espaço interior para o melhor funcionamento da instituição universitária. Do conjunto do seu planejamento para a Uenf ficou faltando construir um último edifício, mas cujo projeto ficou pronto, destinado ao que chamava de"pavilhão de cursos e biblioteca central", cuja área aguarda a iniciativa de algum governador comprometido com a expansão do ensino universitário.

Nos dias em que reverenciaram o grande mestre da arquitetura brasileira vi desfilar nos jornais impressos e na TVs dezenas de seus projetos espalhados por todo o mundo. Nada sobre sua obra na Uenf, ainda que esta supere em volume e em beleza outras mencionadas. Pelo que ela representa, tomo a liberdade de sugerir que a Uenf se associe às justas homenagens prestadas ao nosso arquiteto maior, designando àquele espaço como Espaço Oscar Niemeyer.

Cabe ainda registrar o fato de que a Uenf não é apenas uma bela experiência acadêmica que uniu Leonel Brizola, Darcy Ribeiro, Oscar Niemeyer e centenas de professores, alunos e servidores. É uma experiência que deu certo. Hoje oferece dezessete cursos de graduação para 4 mil alunos e quatorze cursos de pós-graduação para cerca de mil alunos. Já graduou, ao logo de seus dezenove anos de existência, mil e oitocentos alunos e deu origem a cerca de 2 mil equatrocentos teses de mestrado e doutorado.

Certamente, todos que se envolveram com a criação da Uenf têm motivos crescentes para se orgulharem. Afinal, no mesmo dia em que falecia Oscar, o Ministério da Educação anunciava o novo Índice Geral de Cursos de 2011, que a apontou como a melhor universidade pública do estado do Rio de Janeiro.

* Wanderley de Souza, primeiro reitor da Uenf e ex-secretário de Estado de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, é membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia Nacional de Medicina.