'Ide depressa e dizei aos discípulos que Ele ressuscitou dos mortos' (Mt 28,7) 

Eis o anúncio dos anjos às mulheres que foram ver o túmulo de Jesus ao amanhecer do primeiro dia da semana. O silencioso sábado que sucedeu o sepultamento do Senhor havia passado. A perplexidade diante da sua morte e do aparente fracasso de tantas expectativas para o futuro era agora substituída pelo grande clamor da alegria pascal; “Cristo ressuscitou. Aleluia!”

O brilho daquela aurora definitiva desfez todas as trevas da dor, da angústia e da dúvida. Os que esperavam confiantes na promessa do Senhor viram o túmulo vazio, atestando que Ele já não estava ali, mas havia ressuscitado como prometera (cf. Mt 28,6).

O anúncio desta realidade se repete pelos séculos afora ? “Ide depressa e dizei aos discípulos que Ele ressuscitou dos mortos” ? e passa através das gerações, de discípulo para discípulo, assim como as velas da Vigília Pascal vão se acendendo umas às outras.

Hoje, como discípulos missionários, somos herdeiros da bênção e, ao mesmo tempo, da missão. É preciso continuar vencendo as trevas da dúvida pela graça da fé, o tédio da falta de sentido para a vida pelo entusiasmo de um ideal sempre novo, a cultura da morte pela experiência da ressurreição.

Nós, que vivemos o ano do discipulado em nossa Arquidiocese e nos preparamos para o Ano da Fé, pedido pelo Papa Bento XVI, enquanto vivenciamos toda a expectativa da Jornada Mundial da Juventude, somos chamados a “ser” sinal de Ressurreição para todas as situações que a grande cidade vive. Tivemos acontecimentos que nos machucaram logo no início deste ano, mas também experimentamos a esperança da superação pascal. Que agora, ao celebrarmos a Páscoa, todos nós façamos Páscoa: vivamos essa passagem da morte para a vida, do pecado para a graça! Anunciemos sempre como a grande novidade de todos os tempos: Jesus Ressuscitou e nós somos testemunhas!

Tomemos para nós este convite dos anjos e vamos depressa dizer ao mundo que Jesus ressuscitou e que esta é a causa da nossa alegria! Se nos comprometermos com este anúncio, não apenas teremos a melhor e mais santa Páscoa, como nossa vida terá um permanente sentido pascal, em que tudo se faz renovado! 

Desejo a cada um dos caríssimos amigos da Arquidiocese que a luz pascal ilumine suas vidas e ideais! Sejamos o eco de tantas gerações de cristãos que O encontraram e testemunhemos com a vida a grande novidade pascal.  Que ressoe novamente em nossos dias, nos corações dos que creem em Cristo, como sempre ressoará em todos os tempos: Cristo ressuscitou! Aleluia! Verdadeiramente Ressuscitou, Aleluia!

* Dom D. Orani João Tempesta, O.Cist. Arcebispo Metropolitano do Rio de Janeiro