Protesto no Centro do Rio lembra os 25 anos da Chacina da Candelária

Familiares das vítimas e representantes de entidades participaram da marcha

Dezenas de pessoas ocuparam a Avenida Rio Branco, no sentido Candelária, nesta segunda-feira (23), para lembrar a chacina da Candelária  – em que oito crianças foram mortas em 23 de julho de 1993. 

De mãos dadas e cantando palavras de ordem como "Justiça, justiça", familiares das vítimas, crianças e  representantes de entidades  de Direitos Humanos participaram de uma marcha pelo Centro do Rio em memória da tragédia. 

Patricia Oliveira, uma das organizadoras da manifestação, explicou que o protesto visa mostrar a insatisfação da sociedade com relação à violência e também chamar a atenção das autoridades para o grande números de assassinatos de jovens negros que acontecem todos os dias no Rio de Janeiro. 

"É uma manifestação referente ao 25 anos da chacina da Candelária, mas quer chamar atenção para o extermínio da juventude negra e do assassinato da vereadora Marielle Franco e de todos os jovens que vêm sendo mortos sem nenhuma explicação. Queremos justiça", disse ela. 

Luciano dos Santos, que tinha na camisa uma foto do irmão, protestava contra o assassinato de Josenildo Théo por policiais militares em abril de 2009 no Morro da Coroa, na Zona Norte do Rio. "A gente tá denunciando que a chacina não parou, tem aumentado e nada é feito".  

Mortes por policial 

No Rio de Janeiro, de acordo com dados do Instituto de Segurança Pública da Secretaria Estadual de Segurança Pública, as mortes decorrentes de intervenção policial aumentaram 60% em junho, em comparação com junho de 2017. 

Só em junho deste ano, foram registrados 155 homicídios decorrentes de intervenção policial, contra 142 em maio e 97 em junho do ano passado. O número é um dos maiores desde 2003 e perde apenas para os 157 casos registrados em janeiro deste ano.