Corpo de Marielle é sepultado no Rio

O corpo da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, morta na noite de quarta-feira, 14, no centro do Rio, foi enterrado às 17h40 desta quinta-feira, 15, no cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona norte.

A cerimônia, presenciada por centenas de pessoas, ocorreu sob forte comoção. O enterro foi acompanhado por líderes de movimentos sociais e políticos como a deputada federal Benedita da Silva (PT), o presidente da Câmara Municipal do Rio, vereador Jorge Felippe (MDB), e do líder do movimento dos sem-teto em São Paulo e pré-candidato a presidente da República pelo PSOL, Guilherme Boulos, além de vários outros correligionários de Marielle.

>> Marielle Franco, representante de minorias, é silenciada

>> “Foi um ato covarde”, diz irmã de vereadora assassinada no Rio

>> “Todos os sinais eram de execução”, diz testemunha que viu cena do crime contra Marielle Franco

>> Crime contra Marielle tem 'características nítidas' de execução, diz Freixo

No cemitério, um religioso comandou uma oração e fez um sermão antes do sepultamento, que a imprensa acompanhou de longe, a pedido dos familiares da vereadora.

Marielle foi assassinada com quatro tiros na cabeça, quando ia para casa no bairro da Tijuca, zona norte do Rio, retornando de um evento ligado ao movimento negro, na Lapa. A parlamentar estava no banco de trás do carro, quando o veículo dos criminosos emparelhou com o dela. Eles atiraram nove vezes. Anderson Gomes, que trabalhava como motorista para o aplicativo Uber e prestava serviços eventuais para Marielle, também morreu no ataque. Uma assessora que estava no carro sobreviveu ao ataque.

A vereadora era moradora do Complexo da Maré e defensora dos direitos humanos, autora de frequentes denúncias de violações de direitos de negros, moradores de favela, mulheres e pessoas LGBT (lésbicas, gaysbissexuais, travestis, transexuais e transgêneros).

Fonte: Estadão conteúdo

Com informações da Agência Brasil