Secretaria de Segurança Pública e PM desmentem boatos de greve geral

A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro e o comando da Polícia Militar desmentiram informações de que os agentes da corporação entrarão em greve geral na próxima sexta-feira (10) com o aval do Comandante Geral da PM, Coronel Wolney Dias.

"São falsos esses documentos que estão circulando nas redes sociais", publicou a assessoria na página da PMERJ, no Facebook. A assessoria da Secretaria de Segurança Pública também confirmou ao Jornal do Brasil que a informação sobre autorização de greve pela Polícia Militar não passa de boato. 

Nesta terça-feira (7), circularam nas redes sociais um ofício supostamente assinado pelo Comandante Geral da PM no qual ele pede para que a população evite sair às ruas a partir da sexta-feira. O despacho de número 422/Sec/07 informa que a "greve geral lícita" é motivada pelos atrasos de salários e do 13º salário de 2016.

Em postagem, também no Facebook, nesta manhã, a PM afirmou que "é preciso pensar que o impacto da nossa ausência poderá recair sobre nossos ombros, sobre nossas famílias. A nossa falta causaria males incalculáveis e irreparáveis. Temos a certeza que passamos por um momento muito delicado, mas é preciso avaliar as consequências dos nossos atos. Protestos são legítimos, mas precisamos buscar a melhor forma de reivindicar nossos direitos. Paralisar um serviço essencial afeta toda a população, incluindo nossas famílias. A quem interessa a barbárie?".

As informações desencontradas sobre uma possível greve da Polícia Militar no estado do Rio ganharam mais força nesta segunda-feira (6) com a paralisação do trabalho de agentes estaduais no Espírito Santo, além da ampla divulgação de imagens de pânico com os assaltos e outros crimes que tomaram a cidade de Vitória. Com a greve, o governo federal anunciou o envio de agentes da Força Nacional para o Espírito Santo.