Adriana Ancelmo, esposa de Cabral, pode citar nomes do Judiciário em eventual delação

A advogada Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, e presa no âmbito da Operação Lava Jato em dezembro, pode fazer um acordo de delação premiada que atingiria membros do Judiciário. As informações são da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

De acordo com a coluna, os emissários de Adriana procuraram advogados para orientá-la em um eventual acordo de delação premiada. Eles afirmam que ela tem um trunfo na manga: o Judiciário, e não apenas do Rio.

Segundo a coluna, ela acompanhou indicações de magistrados e conheceria o relacionamento de alguns deles com o setor empresarial, na posição de advogada e mulher de Cabral.