Agentes fazem operação para acesso de visitantes ao complexo de Bangu, no Rio

Um dia depois de suspenderem uma greve, os agentes penitenciários do Rio de Janeiro resolveram fazer uma operação-padrão para o acesso de visitantes ao Complexo Penitenciário de Gericinó, também conhecido como Complexo de Bangu, na zona oeste da cidade.

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema Penal do Rio de Janeiro, Gutembergue de Oliveira, a chamada Operação Dentro da Lei está verificando a documentação de cada visitante do complexo desde às 8h de hoje.

Normalmente, segundo ele, para agilizar o fluxo de visitantes, a verificação dos documentos é feita por amostragem. No entanto, como eles estão verificando cada visitante, a demora para entrar no complexo está maior. Em um dia normal, cerca de duas mil pessoas visitam presos do complexo de Gericinó, durante o período de quatro horas (das 8h às 12h), o que daria o acesso de 500 pessoas por hora.

No entanto, das 8h às 9h40 deste sábado, apenas 100 visitantes conseguiram entrar no complexo. "Para não asfixiar o sistema, o funcionário daqui confere as carteiras por amostragem. Se a gente fizer esse trabalho [de checar cada documento], 70% das pessoas que estão aqui hoje para a visita não entram", disse Oliveira.

Transferência de presos

Além de verificar cada visitante, a Operação Dentro da Lei também restringirá as ações de transferência de presos. Para o transporte de detentos, será respeitada a proporção máxima de presos por inspetor penitenciário. A operação será feita até a manhã de segunda-feira (23).

Os agentes exigem melhores condições de trabalho, pagamento de 13º salário, de horas extras atrasadas e dos prêmios por cumprimento de metas. A greve, iniciada na última terça-feira (17), foi suspensa por determinação judicial.

Os servidores fazem nova assembleia na própria segunda-feira, quando eles também devem entrar com recurso para reverter a decisão que suspende a greve. Na terça-feira (24), os representantes dos agentes têm audiência de conciliação com o governo do estado na Justiça.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais