Juíza suspende demissão de 1500 empregados do supermercado Guanabara

A juíza da 51ª Vara do Trabalho Patricia Lampert Gomes estabeleceu, em decisão liminar? nesta segunda-feira (16)?, que nenhuma outra demissão na rede de supermercados Guanabara poderá ser feita sem prévia negociação com o sindicato, sob pena de multa no valor de R$ 1.000,00 por empregado, por dia, em caso de descumprimento. O Sindicato dos Comerciários do Rio havia ajuizado ação após a demissão de 1500 funcionários, sem justa causa, no início de janeiro.

Na ação, o Sindicato pede também a nulidade das demissões e a imediata reintegração dos trabalhadores, o que deverá ser decidido pela Justiça do Trabalho em audiência marcada para a próxima terça-feira, dia 24 de janeiro.  “O Sindicato quer garantir a reintegração dos empregados demitidos e o reconhecimento da ilegalidade das dispensas em massa”, explicou o presidente do Sindicato dos Comerciários, Márcio Ayer. “Exigimos a indenização por danos morais coletivos em favor dos demitidos, porque a empresa não está com dificuldades e não foi afetada pela crise, já que abriu novas lojas o ano passado e planeja inaugurar mais duas em 2017”, completa Ayer.  

Segundo o sindicato, a fiscalização nas lojas da rede de supermercados será intensificada para acompanhar a situação dos empregados e apoio jurídico gratuito para assegurar seus direitos. 

A rede de supermercados iniciou o processo de demissão em massa no dia 2 de janeiro e pretendia, ao longo deste mês, dispensar outros 2.000 trabalhadores, inclusive alguns próximos da aposentadoria.

Sindicato dos comerciários ajuíza ação contra os Supermercados Guanabara