Sindicato dos comerciários ajuíza ação contra os Supermercados Guanabara

Rede demitiu 1500 funcionários nos primeiros dias do ano

O Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro ajuizou nesta sexta-feira (13), na 51ª Vara de Trabalho do Rio, ação contra os Supermercados Guanabara, que realizou a demissão de 1.500 funcionários nos primeiros dias do ano.

A empresa atua em um dos setores menos afetados pela crise - o de venda de gêneros alimentícios - e somente no ano passado inaugurou duas novas lojas, nos bairros da Tijuca e Campinho, no município do Rio.

Para Marcio Ayer, presidente do Sindicato dos Comerciários, não há motivo para a demissão em massa, já que não existe crise para os Supermercados Guanabara. “A abertura de novas lojas em 2016 e a projeção de mais duas este ano, além da aquisição de um terreno para a construção de um shopping, são indícios de “saúde financeira” e não de crise”, explica Ayer. 

Ele afirma ainda que o sindicato não foi comunicado sobre as demissões e em nenhum momento foi convidado a participar de qualquer decisão ou negociação. “O TST entende que é requisito indispensável para a demissão em massa a negociação com o sindicato, o que não houve no caso, por isso a demissão tem contornos ilegais. Vamos inclusive pedir a reintegração dos funcionários, danos morais coletivos e a garantia dos benefícios para os trabalhadores dispensados", diz Marcio Ayer.

Segundo o departamento jurídico do sindicato, os Supermercados Guanabara possuem 25 unidades no Rio, Grande Rio e Baixada Fluminense, gera cerca de 16.000 empregos, mas não cumpre as convenções trabalhistas. Atualmente, na Justiça há processos contra a empresa por falta de pagamento de adicional de insalubridade e por negar as funcionárias o direito de ir ao banheiro, entre outras violações.