Hospital da Uerj: Justiça determina arresto diário do governo do Estado

Na quarta-feira, a Justiça determinou arrestos diários nas contas do governo do estado até o valor de R$ 7,5 milhões para o pagamento de custeio do Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, na Zona Norte, que pertence à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). 

O arresto tem o objetivo de evitar a paralisação da unidade. A coordenadora de saúde e tutela coletiva da Defensoria Pública, Thaisa Guerreiro, disse que essa solicitação foi feita em abril de 2016. 

“O valor de R$ 7,5 milhões foi solicitado para custeio, ou seja, pagamento de funcionários terceirizados e fornecedores. A medida não abarca o pagamento do salário dos servidores”, explicou a defensora.

Em carta ao governo, reitor reafirma que Uerj pode fechar por falta de recursos

Depois que  o Conselho Universitário da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) divulgou um comunicado sobre a possibilidade de interromper as atividades nas diversas unidades acadêmicas e administrativas, devido à falta de pagamento dos salários, bolsas e verbas de custeio, terça-feira (10) o reitor da instituição, Ruy Garcia Marques, divulgou uma carta enviada ao governo em que afirma que o estado está "forçando o fechamento da universidade".

No documento, chamado "A Uerj e o Futuro do Rio de Janeiro”, Marques destaca a situação precária de funcionamento da universidade após os atrasos em pagamentos e repasses de verbas. Os salários dos professores e técnicos, além do pagamento a alunos bolsistas, estão atrasados desde novembro. O reitor afirma que "desprezar o ensino superior, a pós-graduação e a pesquisa é apostar na miséria, na violência e num futuro sem perspectivas positivas”. O reitor diz ainda que “forçar o fechamento da Uerj é não pensar no futuro de nosso estado e de nosso país”.