Grávida foi sequestrada, morta e teve bebê roubado no Rio

Segundo informações da Polícia Civil do Rio, divulgadas nesta segunda-feira (26), a grávida Rayanni Christini Costa Ferreira, de 22 anos, foi sequestrada e morta para ter o bebê roubado por outra mulher. As suspeitas dos investigadores é de que o corpo da jovem desaparecida em Bangu, na Zona Oeste, em 13 de dezembro, tenha sido queimado junto com o do bebê.

Os suspeitos são Thainá da Silva Pinto e Fábio Luiz, seu marido. Eles foram indiciados e presos por duplo homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáveres.

Os investigadores acreditam que Thainá tentou forçar o parto de Rayanni. Como o bebê morreu, o casal então decidiu matar também Rayanni. 

Na casa da suspeita havia sangue espalhado, além de uma faca. Nos fundos, foram encontrados os restos do que seria um corpo feminino incinerado. O material foi levado ao Instituto de Criminalística da Polícia Civil e será confrontado com material genético que será fornecido pela mãe de Rayanni.

Rayanne desapareceu em Bangu, na Zona Oeste, depois de sair para encontrar uma mulher que prometia doar roupas para o bebê que espera. A gestante saiu de casa com destino à Central do Brasil e não foi mais vista.

Vídeo mostra encontro na Central do Brasil

Thainá queria ser mãe, mas sofria de ovário policístico. Então, teria decidido roubar um bebê, de acordo com a investigação. Para isso, se inscreveu em grupos de WhatsApp dedicados à doação de artigos para bebês.

Thainá e Rayanne marcaram um encontro para a manhã do dia 13, na Central do Brasil. Eram 9h23 quando ambas se encontraram. Dali, Thainá levou Rayanni até sua casa, em Magé, onde tentou induzir o parto.