Alerj rejeita fim do Renda Melhor e aprova Bilhete Único intermunicipal a R$ 8

Ex-secretário disse que, dependendo da situação, valerá mais a pena pagar duas tarifas

Na tarde desta quinta-feira (8), a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) decidiu aumentar o valor do Bilhete Único Intermunicipal para R$ 8. A medida restringe o benefício a quem recebe até 3 salários mínimos. Os deputados decidiram também manter os programas Renda Melhor e Renda Melhor Jovem.

O governo estadual havia proposto, através do pacote de medidas de austeridade apresentado pelo governador Luiz Fernando Pezão, a extinção dos programas sociais.

O benefício do Bilhete Único ficará restrito às pessoas que recebem salários de até R$ 3 mil. A aprovação da medida foi duramente criticada, inclusive pelo ex-secretario de Transportes, Carlos Osório (PSDB), que votou contra. "Quem mora em Queimados e Paracambi pega um trem e um ônibus até o Rio. No total, gasta menos de R$ 8. Com isso, ele perderá totalmente o benefício. Vai sair mais barato pagar duas passagens do que usar o Bilhete Único", comentou Osório.

A votação para o aumento do Bilhete Único estava programada para ocorrer na última quarta-feira (7), mas acabou retirado da pauta do dia para modificações e retornou nesta quinta. Inicialmente, o projeto previa um aumento para R$ 7,50.

Já a decisão em manter os programas Renda Melhor e Renda Melhor Jovem foi comemorada pelos deputados, que criticaram a proposta de Pezão.

Votações devem se estender até terça-feira

Nesta quinta-feira (8), uma reunião com os líderes partidários e representantes do governo do estado do Rio promoveu mudanças no calendário de votação do pacote de medidas de austeridade proposto pelo governador Luiz Fernando Pezão. Um projeto foi retirado da pauta e outro acabou sendo adiado para ser votado na próxima terça-feira (13). A decisão vai adiar o fim das votações do pacote, que estava previsto para a próxima segunda-feira (12).

Na terça-feira, houve confronto entre manifestantes e a polícia no entorno da Alerj

Na última terça-feira (6), enquanto os deputados votavam outras propostas do pacote de austeridade, servidores de diversas categorias se reuniram para protestar em frente à sede da Alerj. Durante a manifestação houve confusão com policiais militares que reagiram com tiros de bala de borracha e bombas de gás lacrimogênio. Durante os conflitos, ao menos oito pessoas ficaram feridas. Já na quarta-feira (7), o clima foi tranquilo.