Itaboraí constrói unidade de saúde e praça em Sambaetiba

Há 20 anos, a dona de casa Maria Brizon, 54, mora em Sambaetiba, área rural de Itaboraí, distante cerca de 10 km do Centro da cidade. Pela primeira vez, ela acredita que a vida na localidade vai mudar para melhor. Toda a família acompanha de perto o andamento das obras de construção da nova Unidade de Saúde da Família (USF) e da primeira praça do bairro, que seguem em andamento. Juntos, os empreendimentos somam cerca de R$ 1,3 milhão e devem ser concluídos no fim do primeiro semestre de 2016.

"Precisamos muito desses investimentos, e estou muito feliz ao ver as obras andando. Agora, é torcer para que fiquem prontas logo", diz Maria Brizon.

A Unidade de Saúde, em construção próxima ao km 7 da rodovia RJ-116 (Cachoeiras de Macacu-Itaboraí), gera atualmente 10 empregos diretos para moradores locais. A USF terá 410 m² de área construída e capacidade para atender até 12 mil pacientes por mês. Caso seja necessário, poderá comportar até quatro equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF) formadas por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes comunitários.

O investimento na USF é de R$ 941 mil. Desse montante, R$ 533 mil vêm dos cofres municipais, e R$ 408 mil do Governo Federal, por meio de emendas parlamentares. A estrutura vai contar com salas de recepção, consultório odontológico para três equipes e farmácia, além de salas de inalação, curativos, vacinas, procedimentos, esterilização e atividades coletivas. 

Já a construção da praça e a revitalização do seu entorno conta com investimentos de aproximadamente R$ 400 mil, também conquistados por meio de emendas parlamentares. O projeto contempla uma área de 9,4 mil m², na qual estão previstos a construção de um campo de futebol, uma área de recreação infantil, um espaço de convivência e uma pista para caminhada, além da instalação de equipamentos da academia da saúde e mesas de jogos.

Para a dona de casa Claudecina Alves, 43 anos,  todos sairão ganhando quando as obras forem concluídas. "Aqui, não temos uma área de lazer. Para fazermos qualquer atividade, temos que nos deslocar para outros bairros. Ficamos felizes que finalmente estamos sendo vistos", contou Claudecina.

De acordo com o prefeito de Itaboraí, Helil Cardozo, os recursos dessas obras estavam garantidos desde antes da queda de mais de 50% na arrecadação do município. E, segundo ele, por se tratarem de verbas destinadas a estas finalidades, não podem ser aplicadas em outros setores.