Ministério diz que não há risco de doença e garante provas de hipismo em Deodoro

Em abril, cavalo foi diagnosticado com mormo, que é letal

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou nota nesta terça-feira (28) em que reafirma que não há e nem haverá problemas sanitários para a realização do evento-teste, previsto para a próxima semana, “e a realização das Olimpíadas de 2016, no Complexo Militar de Deodoro”, onde está sendo investigada a ocorrência uma doença infecto-contagiosa letal para os cavalos, o mormo.

>> Suspeita de doença contagiosa ameaça cavalos do Exército de Deodoro

A situação levou o Ministério, a fechar nesta segunda-feira(27) a Sociedade Hípica Brasileira, tradicional clube no bairro da Lagoa, na zona sul do Rio. A medida preventiva foi tomada para evitar aumento do número de animais a serem submetidos a teste para investigação da doença.

Em abril, animais da Escola de Equitação do Exército participaram de uma prova de adestramento na Hípica, onde um cavalo que esteve numa área próxima do Complexo Militar de Deodoro, em que fica o Centro Olímpico de Hipismo, foi diagnosticado com mormo.

A Escola de Equitação do Exército, onde serão disputadas as provas de hipismo dos Jogos Olímpicos, está sob total vazio sanitário e rigorosos cuidados de biossegurança. As medidas são internacionalmente preconizadas e garantem a proteção necessária do evento, de acordo o Mapa.

O Ministério informou ainda que o serviço veterinário do governo decidiu realizar um estudo soroepidemiológico, depois, que um animal, em abril último, foi diagnosticado, fora do vazio sanitário, e próximo à Escola de Equitação, com mormo. Devido a esse caso, estão sendo feitos testes de laboratório em 584 animais, não só do Exército, como de outros proprietários, que estavam no Complexo Militar de Deodoro. Esses testes foram encaminhados para um laboratório de referência internacional junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), na Alemanha.

A medida foi tomada porque o Laboratório Nacional Agropecuário, em Pernambuco, está em processo de certificação para os testes de diagnóstico de mormo. A Secretaria de Defesa Agropecuária do  Mapa negocia com o laboratório alemão a entrega do resultado no menor prazo possível.

O Ministério da Agricultura informa ainda que interditou a Sociedade Hípica Brasileira por medida preventiva, porque 14 cavalos do Complexo de Deodoro, estiveram em treinamento naquele local, mas que essa situação “não caracteriza uma epidemia”.

O quadro atual mostra que o foco de mormo foi detectado no Setor 4 do Complexo Militar de Deodoro, onde estavam outros 138 animais. Desses, 31 cavalos estão isolados por medida de precaução, porque tiveram contato mais próximo com o animal diagnosticado com a doença.

“Com a adoção de medidas sanitárias, o ministério assegura que não há e nem haverá problemas para a realização dos testes e das provas hípicas”, informa o Ministério da Agricultura.