Modelo de UPPs foi apresentado a El Salvador

O modelo de polícia de proximidade e segurança cidadã das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) foi apresentado ao Governo de El Salvador. O toolkit, espécie de manual pedagógico com o histórico do processo e os requisitos para implantação de uma UPP, foi entregue pelo secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, ao ministro da Justiça e Segurança Pública de El Salvador, Benito Lara, e à diretora adjunta da Agência dos Estados Unidos para Desenvolvimento Internacional (USAid), Sarah-Ann Lynch, nesta terça-feira (28/7). 

Pela primeira vez, a agência americana financiou o intercâmbio da política pública fluminense. O toolkit é formando por três livros didáticos, um manual, um livro com o histórico das unidades e um CD. Durante a semana, as comitivas visitarão algumas comunidades com UPPs para conhecer as ações implantadas para melhoria da qualidade de vida da população. 

Beltrame lembrou que 9,5 mil policiais militares atuam em 261 comunidades com UPPs, beneficiando cerca de 1,5 milhão de pessoas. Nessas áreas, houve redução de 65% dos homicídios e 82% da letalidade policial. Além disso, o mês de junho registrou o menor índice de homicídios dolosos no estado, nos últimos 24 anos.

"O problema de violência urbana na América Latina é muito parecido, apesar de algumas peculiaridades. A UPP é uma janela de oportunidades para que a cidadania e os serviços públicos cheguem às comunidades. As forças policiais devem ter uma ação de protagonismo para garantir a implantação de mecanismos que afastem o jovem das práticas de violência. Esse material precisa ser adaptado, mas tem subsídios muito importantes, que podem ajudar qualquer país que vive uma realidade parecida com a da nossa cidade", disse o secretário de Segurança.

O ministro da Justiça e Segurança Pública de El Salvador disse que o país passa por uma série de reformas estruturais. "Estamos construindo politicas públicas permanentes de emprego, saúde e educação, que vão nos permitam resolver os fatores de risco de comunidades vulneráveis, onde vivem pessoas com direitos e obrigações. Viemos ao Rio conhecer a experiência da polícia pacificadora e esperamos poder aplicar o modelo em nosso país", afirmou Benito Lara.

Segundo a diretora-adjunta da USAid, o objetivo do intercâmbio trilateral é implantar a experiência fluminense para garantir a segurança cidadã e ampliar a qualidade de vida nos países latinos onde a agência atua como Honduras e Guatemala.

Responsável pela elaboração do manual, o subsecretário de Educação, Valorização e Prevenção da Secretaria de Segurança, Pehkx Jones da Silveira, falou sobre a importância de sistematizar a história de pacificação e compartilhar a experiência. "Esse manual é também um registro histórico sobre a nossa política de segurança, sobre os passos que foram dados a cada ano, as correções de rumo e as melhorias. Acreditamos que é uma politica com maturidade suficiente para ser estudada e a procura do Governo de El Salvador para estudar nossa estratégia é sinal de que a política chamou a atenção dentro e fora do Brasil. Nossa politica de pacificação tem dois estágios: ocupação do território pelas forças policiais e a ocupação social, para levar serviços e cidadania para as comunidades", afirmou o subsecretário. 

Na semana passada, o secretário Beltrame recebeu o ministro do Interior do Perú, José Luiz Pérez Guadalupe, que também veio conhecer de perto o projeto de pacificação.