Após explosão em posto de salvamento, Comissão de Defesa Civil da Câmara quer acionar concessionária

Parlamentar questiona manutenção dos postos. Bombeiro segue em estado grave

A Comissão de Defesa Civil da Câmara Municipal do Rio de Janeiro vai solicitar à Orla Rio, concessinária responsável pela administração dos 27 postos de salvamento nas praias cariocas, obras de reforma urgentes destes locais de atendimento aos banhistas. Neste domingo (26/7), uma explosão em um destes postos, em Copacabana, na Zona Sul, deixou dois guarda-vidas feridos, um deles teve 60% do corpo queimado e segue internado em estado grave no Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo.

Segundo o presidente da Comissão de Defesa Civil, o vereador Márcio Garcia (PR/RJ), a manutenção dos postos não está sendo feita de forma eficiente e pode oferecer perigo tanto para os banhistas quanto para os salva-vidas. "É preciso tomarmos providências urgentes, para que novos acidentes sejam evitados", disse Garcia. O parlamentar afirmou ainda que nos últimos meses vem enumerando "pequenos acidentes" que estão acontecendo nestes locais.

Inspeções feitas pela equipe do vereador no final de 2014 constatou diversos pontos vulneráveis em postos de atendimento ao banhista, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, e em praias da orla na Zona Sul. Entre as deficiências, faltava degraus nas escadas de acesso à parte interna de alguns postos, vasos sanitários descolados, portas blindex quebradas e muita infiltração. O Jornal do Brasil entrou em contato com a Orla Rio para saber mais detalhes sobre a manutenção dos postos, mas não houve retorno até o fechamento da matéria.

Nota da Orla Rio

Em nota esclarecendo o assunto, a Orla Rio Concessionária, responsável pela reforma e manutenção de todo o mobiliário dos postos de salvamento, afirmou que realiza vistorias semanais e manutenção sempre que identificada a necessidade nos postos da orla. 

"Sempre que são encontradas irregularidades nas áreas de uso exclusivo dos Salva Vidas, a Concessionária envia um oficio, anexando fotos, à Prefeitura e aos Comandos Regionais do Corpo de Bombeiros para que as autoridades tomem as devidas providências, pois esse não é um espaço administrado pela Orla Rio, apesar da Concessionária realizar a manutenção e garantir os serviços de água e energia", destaca o comunicado. A concessionária esclarece ainda que vem desde março de 2015 vem prestando todos os esclarecimentos ao que se refere a concessão aos vereadores que fazem parte da Comissão Especial com a finalidade de elaborar estudos e criar a regulamentação para a utilização da orla do município do Rio de Janeiro por munícipes e turistas, tanto na esfera comercial quanto para lazer, bem como analisar os contratos celebrados com a Orla Rio. 

"Desde o início da operação a Orla Rio Concessionária cumpriu com todas as exigências, reformando as instalações e tornando-as próprias para o uso da população. Até o momento já foram investidos mais de R$ 4 milhões nos Postos de Salvamento. Em 2014  a Concessionária iniciou um trabalho em conjunto com o Coronel Angelo e os comandantes de cada área, que vistoriaram todos os Postos. Desde então a Orla Rio vem fazendo a manutenção (instalação de Blindex, estrutura metálica da cobertura asa delta, troca das lonas da asa delta, pintura, entre outros). Entretanto, alguns trabalhos não puderam serem realizados, pois depende da cooperação dos Bombeiros de sanar as irregularidades encontradas nas áreas de uso restrito dos Salva Vidas, tais como: uso de televisão, botijão de gás , fogão, camas, excesso de armários, entre outros", diz a nota. Sobre a explosão no domingo (26), a Orla Rio salientou que aguarda o resultado das investigações e contratou o perito João Luis de Souza Miranda Cardoso para acompanhar e auxiliar na ocorrência no Posto 4.