Modernização no sistema gera transtornos para a emissão da Carteira de Trabalho

Quem está tentando fazer a emissão da primeira via da carteira de trabalho enfrenta uma grande dificuldade. Os prazos para a liberação do documento chegam há 60 dias, e causa problemas para quem está à procura de emprego.

O estudante de administração de empresas, Pedro Henrique Martins, 20, participou de um processo seletivo, foi aprovado pelo RH e na hora de dar entrada nos documentos o problema apareceu. Pedro não possuía carteira de trabalho e teve que ir atrás da emissão da primeira via do documento. O jovem estudante começou uma verdadeira "via sacra" para conseguir emitir a carteira. Após idas aos postos do Poupatempo e do Sine (Site Nacional de Empregos), Pedro foi informado de que a espera seria de 60 dias. Ao avisar para a empresa, o estudante perdeu a vaga que acabou sendo preenchida por outra pessoa que já possuía o documento.

“Estou começando a buscar um estágio para poder dar início à minha vida profissional, mas a dificuldade para conseguir tirar a carteira está grande. Você chega no Sipe, e eles dão um prazo de 60 dias para a emissão do documento. Já no Poupa tempo eles alegam que o Ministério do Trabalho está modernizando o sistema e por isso não possuem a nova carteira disponível. Dizem que o Ministério não envia os lotes desde novembro. Desse jeito fica complicado. Estava prestes a entrar em uma empresa e acabei perdendo a vaga, pois eles não aceitaram esperar esse prazo”, lamentou.

Em conversa com o Jornal do Brasil, o chefe do posto de atendimento do Sine de Araruama, na Região dos Lagos, Denílson Santana, disse que não recebe lotes de carteiras de trabalho desde novembro, e que foi informado de que o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) estava fazendo uma modernização no sistema. Por isso a demora.

“Nós estamos aguardando o Ministério mandar o lote com as novas unidades. O que nos foi passado é que está havendo uma mudança no sistema da carteira que vai passar a ser digital. As carteiras manuais pararam de ser entregues nos postos e o processo de informatização está sendo demorado. Eu não sei te informar quando vai ser feita a digitalização dos postos do Sine. Estamos sem receber lotes de carteiras desde novembro”, explicou Santana, que lembrou que o problema está acontecendo em todo o país: “O pior é que esse não é um problema que está acontecendo somente no estado do Rio de Janeiro, é um problema de âmbito nacional”.

No último dia 22, a secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Comunicação de Mesquita, na Baixada Fluminense, divulgou a informação de que voltou a realizar a emissão de carteiras de trabalho, paralisada em dezembro de 2014. Em nota, a secretaria informou que a paralisação foi devida à modernização do sistema.

“O motivo da suspensão foi à implantação do sistema CTPS Web 3.0, desenvolvido pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A tecnologia permite aos parceiros emissores da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), a utilização da mesma base de dados do MTE, proporcionando maior rapidez na entrega do documento ao trabalhador”.

O JB entrou em contato com o Ministério do Trabalho e Emprego que disse que o sistema já está normalizado. E que caso algum posto emissor não esteja recebendo o lote com as novas carteiras deve ser pelo fato de estarem com o contrato desatualizado com o Ministério.

“Nós já realizamos a distribuição das novas carteiras, e todos os postos já estão fazendo os registros. Sobre o fato de não termos disponibilizados as carteiras para os postos de emissão, a falha pode ser que seja o fato de esses postos não terem realizado a renovação do convênio com o ministério do trabalho, nossa distribuição já foi normalizada”, informou o Ministério.

O Sipe disse que a situação contratual com o Ministério está correta, e que a última vez que receberam um lote de carteiras foi no mês de novembro, e ainda foi do modelo antigo.

Durante a realização da reportagem, o site do Ministério de Trabalho e Emprego esteve fora do ar. Segundo o Ministério o motivo é uma falha no sistema interno, que deve ser reparada em breve.

*Do Programa de Estágio do Jornal do Brasil