Polícia prende dois suspeitos de integrar quadrilha de abortos em Niterói

Duas pessoas foram presas na noite de segunda-feira (29) por suspeita de participação na quadrilha que fez um aborto em Elizangela Barbosa, de 32 anos, que morreu durante a cirurgia clandestina em Niterói. A dupla prestou depoimento na Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil.

Ligia Maria Silva seria a líder do grupo e Rildo José Medeiros dos Anjos teria sido o enfermeiro que levou Elizangela até a clinica clandestina, que ficava numa casa no bairro Sapê, segundo informações da polícia. Dois outros suspeitos ainda são procurados: uma filho adotivo de Ligia, que teria levado a gestante ao hospital depois de complicações durante o aborto, e a irmã dele. 

Elizangela Barbosa estava grávida de cinco meses quando tentou o aborto, há uma semana. Durante o procedimento, um tubo de plástico foi deixado dentro do útero. O marido informou na delegacia que deixou a esposa na periferia de São Gonçalo, onde ela se encontrou com um homem que a levaria à clínica de aborto. Na bolsa, a vítima levava R$ 2,8 mil para pagar pelo procedimento. Ela deixou três filhos.