Greve dos bancários tem grande adesão no Centro do Rio

Das pouco mais de 200 agências na área central, 180 aderiram. Outras regiões têm adesão baixa

Depois de muita negociação e sem chegar a um acordo com a Federação dos Bancos, os bancários de todo o país entraram em greve nesta terça-feira (30). Na cidade do Rio de Janeiro, são pelo menos 200 agências paradas, segundo o Sindicato dos Bancários. O Centro é a região que mais aderiu. Das 211 agências, 180 estão paradas. Em Vila Isabel, Zona Norte, e em Campo Grande, Zona Oeste, agências também aderiram à greve. Na Zona Sul ainda há pouca mobilização. A expectativa é que outras agências comecem a aderir durante a semana. Na próxima quinta-feira (2) um ato contra a autonomia do Banco Central será feito pelos grevistas em frente à instituição, localizada na Avenida Presidente Vargas. Todos os dias serão feitas reuniões do Comando de Greve na sede do sindicato, aberta para todos os bancários.

Segundo Adriana Nalesso, vice-presidente do Sindicato, aconteceram oito rodadas de negociações, que não resultaram numa proposta maior do que 7,35% de aumento salarial, considerado insuficiente e insensível pelos bancários. Eles pedem 12,5% de aumento real. “Desde o ano passado o setor aumentou o lucro em 16%. É um setor com alta rentabilidade, o que nós pedimos é um aumento real de cerca de 5%, somente. Achamos muito razoável, visto a força e a renda do setor”, diz ela.

Adriana diz que, além do aumento do salário, outras pautas tão ou mais importantes foram ignoradas na mesa de negociação: o assédio moral, as metas irreais e a falta de igualdade dentro dos bancos.

Os bancários são obrigados a cumprir metas mensais, nunca inferiores a 100%, segundo ela. “As metas não são dialogadas e não levam em conta as diferentes realidades de tamanho e porte de agencia, localização, e outros fatores. Temos metas em tudo. Desde  de venda de titulo de capitalização,vendas de seguro, até de quantidade de débito em conta”, diz ela.

O ambiente de trabalho nos bancos é um dos mais estressantes. Se as metas não são cumpridas, os trabalhadores são ameaçados de demissão e muitas vezes demitidos.  “Ano passado foram cinco mil e quinhentas demissões! Muitas acontecem por causa da baixa produtividade, por causa dessas metas impostas sem nenhum diálogo.  Nos bancos públicos os trabalhadores acabam não ganhando comissão ou tem dificuldade de ascensão de carreira”, diz ela.

Ela ainda critica a falta de reconhecimento de um plano que busque a igualdade nas oportunidades dentro das empresas. No ambiente financeiro e bancário, existe uma grande disparidade entre salários de mulheres e homens, além de poucos negros e negras.  

“Numa recente pesquisa em conjunta com a própria Febraban foram apontadas graves distorções. Temos sérias discriminações no setor. São debates que fazemos porque não tem só como exigirmos questões econômicas. É importante ter qualidade de vida no trabalho, ter uma vida laboral saudável. E o ambiente de trabalho no banco não é saudável. Mesmo”.

A Febraban afirmou apenas que “ está assegurado novo aumento real”. A instituição foi questionada sobre questões além da salarial, mencionadas na reportagem mas não respondeu. Uma entrevista com um representante foi descartada pela assessoria, que mandou uma nota que não aborda as questões além de aumento salarial.

O que o consumidor pode fazer

A Febraban ressaltou que o consumidor dispõe de vários canais para a realização de transações financeiras, tais como internet, o banco por telefone, o aplicativo do banco no celular. Há também os caixas eletrônicos e rede 24 horas, que ficam disponíveis em supermercados, aeroportos, shoppings, lojas comerciais e centros comerciais, além dos correspondentes, que estão espalhados por todo o Brasil.

Eles lembram que, através dos caixas eletrônicos é possível pagar contas (não vencidas), agendar pagamentos e Docs e pagar faturas do cartão de crédito. Ainda é possível sacar, depositar cheques, consultar o saldo, sacar benefícios sociais, bloquear cartão, fazer empréstimos e resgatar investimentos.

Os correspondentes também são uma opção. Estão espalhados em todo em locais e os estabelecimentos podem ser: supermercados, casas lotéricas e postos dos Correios. Se for indispensável ir até uma agência bancária, o cliente pode consultar o site BuscaBanco (www.buscabanco.com.br) para localizar o endereço de agencias bancárias e postos de atendimento e tentar entrar em contato com as agências para verificar como está o funcionamento.

*Do programa de estágio do JB