Aprovada urgência para votação de plano de salários dos professores do Rio

Violência volta a tomar conta das ruas do Rio

Por 33 votos a favor e 12 contra, a Câmara de Vereadores do Rio aprovou o pedido de urgência na pauta para a votação do Plano de Cargos e Salários dos professores municipais. O clima é de tensão nos arredores da Casa. Bombas de efeito moral e spray de pimenta foram usadas pela polícia, quando integrantes do movimento Black Bloc tentaram quebrar as janelas da Câmara.

Neste momento, a sessão está suspensa por falta de segurança.

Os professores cantam nomes de diversos vereadores e dizem que a polícia está lá para prendê-los.

Policiais dizem que foram agredidos durante a confusão por volta das 14h30. Segundo o responsável pelo GPPM (Grupamento de Policiamento de Proximidade e Multidões), os soldados receberam ovos, tinta, pedradas e garrafadas.

Os profissionais da rede pública de ensino do Rio estão acompanhando a votação do Plano de carreira do lado de fora da Câmara. De um trio elétrico, a coordenação do Sindicato estadual dos profissionais da educação  narra cada etapa da votação e uma multidão reage alternando com palmas e vaias. O Batmam reapareceu para prestar solidariedade aos professores. Eron Morais, de 32 anos, é protético, mas tem muito respeito pelos educadores. "É um absurdo o que estão fazendo com a Educação no Rio. O Batmam tem que agir num momento de injustiça social como esse", disse.