Professoras mostram marcas da violência durante a desocupação da Câmara

As professoras Luciane Albuquerque, de 54 anos,  e Lucimar do Carmo, de 55, afirmam terem sido agredidas durante a desocupação de sábado (28) da Câmara de Vereadores do Rio. Com curativos e marcas pelo corpo, elas contam que policiais militares agiram com truculência durante a ação.

"Os policiais saíram batendo no grupo de estava no plenário. Quando eu vi, já estava tomando um soco no rosto e um acessório que estava no braço do PM cortou a minha pele", contou a professora Luciane, exibindo um corte profundo no supercílio. 

Lucimar do Carmo conta que foi atingida por spray de pimenta e caiu no chão, sofrendo escoriações pelo corpo. "Eu ainda gritei com os policiais, pedindo para eles não me baterem nos professores, mas era tarde", contou a educadora, que foi levada por socorristas para atendimento medico.

Com 22 anos de profissão, Lucimar disse que nunca viu ações tão truculentas como as últimas da PM do Rio.  Emocionadas, as duas educadoras se encontraram no ato da classe, nesta segunda (30), em frente a Câmara. Elas receberam a solidariedade de muitos amigos de profissão.


>> Veja aqui o vídeo postado pela professora Luciane Albuquerque, na sua página no Facebook, do momento em a PM entra no plenário para retirada dos manifestantes, no sábado (28/9).