Hackers divulgam notas fiscais de compras irregulares feitas pela PM do RJ

O grupo hacker Anonymous Brasil divulgou em sua página na internet e em seu perfil no Facebook imagens que seriam de notas fiscais de compras irregulares feitas pela Polícia Militar do Rio de Janeiro. Segundo a publicação do grupo, a polícia fluminense teria comprado itens como brinquedos em uma loja especializada, um GPS, uma bola de futebol e roupas da marca Nike, além de roupas, bolas e sungas da Adidas. 

Na compra feita na loja da Adidas, a PM teria pago R$ 44,90 por cada uma das duas camisetas “response W” da Adidas, e R$ 39,90 pela unidade da sunga - ao todo foram compradas seis peças.   

Na mesma compra aparecem também uma outra sunga, R$ 10 mais barata que as demais, e uma bola de futebol, que custou R$ 69,90, além de uma regata feminina, ao preço R$ 39,90. 

Na Nike, a PM teria comprado uma bola T90 Laser de futebol ao preço de R$199,60, além de uma outra bola Netherlands Prestige, que custou R$ 47,92, e duas camisetas, por R$ 59,90, e outra vestimenta, por R$ 119,80. 

Uma outra nota mostra uma compra que teria sido feita pela PM na loja de roupas C&A, de uma blusa, no valor de R$ 59,90. 

Na loja de brinquedos RiHappy, a PM teria comprado os jogos Combate, Cara a Cara, Perfiolm, Na Ponta da Língua e Estrela Musical, além de um triciclo descrito na nota como Zootico Golfinho. 

Em sua página, o grupo afirma que a revelação das compras faz parte de uma “série de vazamento de informações e documentos obtidos da Assessoria Parlamentar da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro”.

“Hoje, iniciaremos a divulgação de notas fiscais de compras irregulares efetuada pelos militares. Apesar dos valores serem pequenos, não descaracteriza o uso irregular de verba pública, pois os itens adquiridos com dinheiro público são de uso pessoal, como sungas, blusas, tênis e etc, como podem atestar logo abaixo.

De acordo com a publicação, além das notas fiscais, serão revelados também “material que compromete a legitimidade do cargo de um prefeito de uma grande cidade; material que expõe a relação existente entre a PM e deputados do Congresso Nacional, com troca de favores claros; elaboração de dossiês pela PM onde traçam perfis dos deputados, a fim de se identificar suas posições quanto a votações de interesse da polícia”.