RJ: passeata começa pacífica, reúne 100 mil, e termina em caos na Alerj

A grande passeata que seguiu da Candelária rumo à Cinelândia reuniu 100 mil manifestantes para protestar contra os gastos para a Copa do Mundo, das Confederações, a corrupção, e, principalmente, o aumento das tarifas de transporte público. O número de participantes no ato foi divulgado na noite desta segunda (17), em nota, pela Polícia Militar do estado. 

O protesto, que começou pacífico, com manifestantes segurando rosas e vestindo camisetas brancas, terminou com tumulto. Já na reta final do ato, um grupo que participava da manifestação invadiu o Palácio Tiradentes, prédio-sede da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), além de atear fogo a dois veículos e agredir policiais militares. 

>> Manifestantes conseguem invadir o prédio da Assembleia Legislativa do Rio

>> Estudante do Rio: "Manifestação é movimento de gente oprimida"

>> Presidente da Alerj confirma: PMs foram feridos e encurralados dentro de prédio

>> Da Candelária à Cinelândia: passeata do Rio de Janeiro não para de crescer 

 Um jovem que participava da manifestação foi baleado esta noite. O tiro atingiu o braço do rapaz que foi imediatamente socorrido por outros manifestantes. Ele foi levado para uma área distante da manifestação onde foi atendido por médicos e estudantes de medicina que estavam no local. Depois de receber os primeiros socorros, o jovem, cujo o nome não foi divulgado, foi levado consciente para um hospital próximo. Ninguém soube informar de onde partiu o tiro que feriu o rapaz.

Vinte policiais feridos

A Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro informou que subiu de cinco para  20 o número de policiais militares feridos depois que manifestantes começaram a jogar coquetéis molotov na porta do Paço Imperial e da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Eles também tentaram entrar no prédio da Alerj.

Segundo a secretaria, um dos policiais teve o braço quebrado após ser espancado por um grupo de manifestantes. Mais um foi ferido na cabeça. Os 20 feridos foram socorridos no local e alguns tiveram que ser removidos para hospitais da cidade. Ainda de acordo com a secretaria, policiais militares estão dentro da Alerj para garantir a integridade do prédio. No entorno, agências bancárias e lojas tiveram os vidros quebrados.

Com Agência Brasil