Comitê Popular da Copa: governo quer jogar no lixo projeto de novo parque

Entidade critica demolição do Célio de Barros, do Museu do Índio e de escola municipal

O Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas do Rio de Janeiro fez duras críticas ao governo do Estado e à Prefeitura por "jogarem no lixo projeto de novo parque", para poderem construir um complexo de lojas, restaurantes e estacionamentos no Maracanã, removendo o Parque Aquático Júlio Delamare, o Estádio de Atletismo Célio de Barros, a Escola municipal Friedenreich e o antigo prédio do Museu do Índio. 

"Querem jogar no lixo a proposta de construção de um novo parque em São Cristóvão, ao lado da Quinta da Boa Vista. O Parque Glaziou, de 85.500 m², ofereceria quadras esportivas, pérgolas, bosques, canteiros, lagos e grandes áreas gramadas, e estaria pronto até as Olimpíadas de 2016, deixando um verdadeiro legado para a cidade", diz o comitê. 

Segundo nota divulgada pela entidade, o primeiro projeto de revitalização do Estádio Mário Filho mantinha todas as construções do seu entorno e integrava o Complexo do Maracanã com a Quinta da Boa Vista e o novo parque, conforme vídeo de divulgação da própria Prefeitura do Rio, em seu canal do Youtube (https://youtu.be/uOt3NnuqBwU). 

Todavia, a proposta mudou após a apresentação, em janeiro de 2012, do projeto para o Maracanã da empresa IMX, de Eike Batista, que baseou a minuta do edital de concessão apresentado pelo governo em outubro. Como a proposta prevê a construção de lojas e estacionamentos, o governo estadual informou que as atuais instalações precisam ser transferidas para o outro lado da Radial Oeste, em um terreno do Exército, mesmo local onde seria construído o Parque Glaziou, que recebeu o nome do paisagista francês Auguste François Marie Glaziou, projetista dos jardins da Quinta e de outros locais do Rio. 

O Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas acrescenta que, dessa forma, além do custo milionário para derrubar e reconstruir as instalações apenas para atender interesses comerciais, o projeto da IMX tira do povo carioca a chance de ter uma nova área para lazer e esporte. 

"A proposta de concessão do Maracanã feita pela IMX já é alvo de investigação do Ministério Público Federal, que abriu inquérito para analisar as demolições, as licitações para a compra de cadeiras e construção de catracas e bilheterias e também a audiência pública sobre a concessão, realizada em outubro com uma série de irregularidades. No inquérito, a procuradora Marta Cristina Pires Anciães escreve que 'foi ainda questionada a questão da empresa IMX ser a responsável pelo projeto do edital, pelo estudo de viabilidade e provavelmente o fato de ser a única empresa que vai apresentar a proposta de gestão', prossegue. 

De acordo com o comitê, em novembro, o presidente da IMX, Alan Adler, foi flagrado por membros do Comitê Popular da Copa saindo de uma reunião no Parque Aquático Júlio Delamare com representantes do governo do estado e federações de esportes aquáticos, para discutir a concessão do Maracanã antes mesmo da publicação do edital.

A proposta de criação do novo parque, feita pelo Centro de Arquitetura e Urbanismo (CAU) da Prefeitura do Rio, está disponível neste link: https://bit.ly/WnZPLy