Prefeitura promete 330 novas residências na Cidade de Deus

Obras de infraestruturado Morar Carioca terão duração de dois anos

"Pode demorar para terminar, mas o benefício é para vida toda". A frase dita pelo vereador Thiago K. RIbeiro (PMDB), e depois repetida pelo secretário da Casa Civil, Pedro Paulo, tentou tranquilizar os moradores da área da Rocinha II, na Cidade de Deus, na manhã desta quarta-feira(23), durante a inauguração das obras do programa Morar Carioca. O evento contava com a presença do prefeito Eduardo Paes, mas ele acabou não comparecendo.

A construção de 330 casas, ao valor de R$ 33 milhões, levará cerca de dois anos para ser concluída. 

Os moradores, apesar da desconfiança, aprovam as medidas da Secretaria Municipal de Habitação, que incluem implantação de infraestrutura, urbanização e construção de um centro comercial, além de um Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI).

"Se a prefeitura tiver vontade, eles fazem qualquer coisa. A creche, principalmente, é muito boa", elogiou Fabiana Lima. Edite Mirnes, moradora da Cidade de Deus há 30 anos, também aprovou a iniciativa:

"Teremos com quem deixar nossas crianças agora. Estou bem feliz, parece que agora as coisas vão mudar".

O secretário Municipal de Habitação, Pierre Batista, pediu aos moradores que "fiscalizem as obras" da Lytorânea, companhia que venceu a licitação para as obras do Morar Carioca, e ressaltou a importância das novas moradias. "Muitos esperam por isso há 40 anos. Os moradores das áreas das Triagens poderão ter uma chance de ter suas casas. Aqui é uma região muito precária, e a Secretaria vai dar mais infraestrutura ao bairro.

Já o secretário da Casa Civil, Pedro Paulo, lembrou que R$ 4 bilhões serão investidos até 2016 "para que não haja nenhuma pessoa morando em áreas de alto risco". Perguntado sobre o tempo necessário para as remoções, Pedro Paulo preferiu a cautela: "Faremos uma sequência de reuniões em cada um dos reassentamentos que iremos realizar para informar a cada morador o processo. A ideia é que possamos diminuir ao máximo o tempo entre a desocupação da casa antiga e a ida para a casa nova. Enquanto eles não estiverem nas casas, essas pessoas receberão aluguel social", disse o secretário.

As casas serão construídas em três localidades na Cidade de Deus: no Jardim do Amanhã I, próximo à Taquara, serão 138 unidades. No Jardim do Amanhã II, são mais 108. No Jardim do Amanhã III, serão construídas 84 novas residências.

Críticas e promessas

Apesar de elogiar a construção das casas, a moradora Fabiana Lima lembrou alguns velhos problemas da Cidade de Deus: a falta de saneamento e de transporte, inclusive em outras áreas do bairro. "Aqui nesse pântano, nós temos jacarés, cobras... Em dia de chuva, eles aparecem aqui nas nossas casas. Há os ratos também, que se aproveitam do esgoto. Tem que melhorar", diz ela.

Como se não bastasse, a falta de transporte público é motivo de constantes reclamações:

"Ou se paga R$ 3 no moto-táxi ou a gente fica a pé. As crianças sofrem para ir para a escola, porque quase não passa ônibus aqui, nem para os adultos."

Vereador com votação expressiva na Cidade de Deus, Thiago K. Ribeiro definiu a área da Rocinha II como a mais preocupante a ser cuidada pela prefeitura do Rio: "Não pudemos cuidar de todos os lugares da Cidade de Deus ao mesmo tempo. Ela é muito grande, e talvez não possamos atingir todas as áreas do jeito que os moradores querem.