Obras irregulares são demolidas na Ladeira dos Tabajaras

Chuva dificultou a ação dos agentes. Dono de um dos imóveis quer reparação

Nesta terça-feira (22), duas construções irregulares na Ladeira dos Tabajaras foram demolidas. A ação da Secretaria de Ordem Pública (Seop) ocorreu após vistoria feita em setembro de 2012 pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Segundo o parecer, as construções causaram danos ambientais e estão construídas em área com risco de desabamento.

Participaram da operação cerca de 30 pessoas, entre agentes da Seop, Guarda Municipal, Secretaria de Meio Ambiente, SeConserva, Georio, Comlurb e Defesa Civil.

Inicialmente, quatro casas seriam demolidas. Porém, duas das casas previstas já possuem moradores, o que deve fazer o processo de demolição ser interrompido para reassentamento e cadastramento desses moradores junto à Secretaria Municipal de Habitação. Para alguns moradores da mesma área, isso é um sinal de que eles podem ser os próximos. "Nem quero pensar para onde vou se me tirarem daqui", se preocupa João Mattos, que mora na Ladeira dos Tabajaras há quatro anos.

O Secretário Municipal de Ordem Pública, Alex Costa, alertou para os problemas da chuva na construção de novas residências nos morros cariocas: "A fiscalização realizada hoje foi uma ação preventiva da prefeitura. Não podemos permitir que casas sejam construídas em área de risco, ainda mais com as chuvas que estão caindo ultimamente na cidade – alertou Costa.

O dono de um dos imóveis demolidos hoje, Reginaldo Bezerra, disse que parou a construção da sua casa assim que o embargo da obra foi publicada no Diário Oficial, no dia 26 de novembro de 2012, porque queria "estar dentro da lei". Ele, no entanto, lamenta a destruição do que ele chamou de "o sonho de uma vida":

"Tantas economias guardadas para serem jogadas no lixo. Perco uns 60 mil reais só nessa situação", disse ele, que mora em um apartamento alugado em Vila Isabel com a esposa e os dois filhos. "Vou ter que achar outro lugar para morar, porque prometi entregar o lugar onde moro em maio", lamentou. "Vou querer a reparação dessa minha perda".

Documentação

Como foi construído sem o alvará da Prefeitura, o imóvel de Reginaldo, ainda em fase inicial, foi demolido nesta terça-feira. Segundo ele, há uma documentação da casa feita junto à Associação de Moradores da Ladeira dos Tabajaras e Morro dos Cabritos, e autenticada no 10º Ofício de Notas, na Rua Barata Ribeiro, em Copacabana.

"Sempre foi feito dessa forma, e nunca houve problema antes", lembrou Ezequiel Marinho, morador da Ladeira há cinco anos. A Secretaria Municipal de Urbanismo, em nota, diz que não há condições de habitabilidade na área citada, e que regulariza a situação de casas já existentes, estando proibida a construção de novas residências nas Áreas de Especial Interesse Social( AEIS), como é o caso da Ladeira dos Tabajaras e do Morro dos Cabritos.

Danos ambientais

Luiz Otávio de Lima Pereira, que trabalha no processo de fiscalização da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, esteve presente nas duas vistorias realizadas naquela área, em setembro e outubro de 2012. "Constatamos o corte de árvores e o risco de deslizamento, e sugerimos essas demolições", explicou ele, que ainda alertou para o risco de possuir uma casa logo acima do Túnel Velho, em Copacabana.

Bezerra, irritado com a perda do imóvel, contestou a informação. "Se o problema é a construção, teria que destruir todas as casas do morro. Por que a minha foi escolhida?".

Pereira, calmamente, rebateu a fala do morador:

"Não é uma coisa errada que justifica todas as outras. É necessário agir para demolir essas construções irregulares enquanto elas estão em construção. Com pessoas morando, isso é bem mais complicado.", finalizou o fiscal ambiental.