"Estou sem lenço e sem documento", diz Bornier. Ex-prefeita se defende

Nova Iguaçu acumula dívida de R$ 1,02 bilhão. Bornier culpa ex-prefeita, que rebate

Ao divulgar na manhã desta sexta-feira (11) os números do município, o novo prefeito de Nova Iguaçu, Nelson Bornier, foi categórico: "Estou sem lenço e sem documento", disse o prefeito, sem deixar de criticar Sheila Gama, ex-prefeita nos últimos dois anos. "Se ela tivesse feito a transição da forma certa, não teríamos perdido tanto tempo.

Após dez dias de apuração, a comissão de inventariantes de Bornier constatou que Nova Iguaçu tem uma dívida de R$ 1. 028.166.634,11 com 17 credores diferentes. "Dependendo do que ainda estamos apurando, esta dívida pode aumentar", destacou Bornier,  que reabriu a prefeitura uma semana após ter lacrado a sede da administração municipal.

Deste total, o montante maior se refere ao Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Nova Iguaçu (Previni) - R$ 544 milhões. O Hospital Geral de Nova Iguaçu (Posse) acumula dívida de R$ 126 milhões. O novo prefeito decretou estado de calamidade na saúde pública.

Para sanar as dívidas, Bornier anunciou a extinção de quatro secretarias: Trânsito, Meio Ambiente, Planejamento e Despesas e Comunicação. Além disso, 1.085 cargos comissionados também foram extintos. O setor de Trânsito será absorvido pela Secretaria de Transporte, enquanto que a área de Meio Ambiente vai virar um braço da Secretaria de Urbanismo. Outros órgãos absorverão os demais funcionários.

"A corrida dos outros municípios já começou, mas Nova Iguaçu só vai largar agora. Não tenho dinheiro em caixa", lamentou o novo prefeito.

Bornier ataca, Gama rebate

O prefeito disse que não irá priorizar nenhuma dívida, e foi sucinto ao dizer qual foi o pior momento após assumir o governo:"Não foi após eu assumir que me deu mais medo. Foi o fato de eu ter ficado 60 dias de braço cruzado, sem poder fazer nada", contou o prefeito, finalizando com uma brincadeira perguntado sobre qual foi o montante deixado pela ex-prefeita, Sheila Gama, na transição de governo:

"Quantos centavos,você quer dizer?", ironizou, ressaltando que o fato de ela não ter feito o processo de transição fez com que ele perdesse tempo no início da administração.

Sheila Gama, ao saber das declarações de Bornier, chamou-o de "mentiroso e prepotente", e disse que vem pagando as dívidas da administração do próprio Bornier, de Mário Marques e Limdbergh Faria, prefeitos da cidade antes dela.

Sobre a perda de tempo na transição, ela disse que a acusação não procede. "Nossos secretários passaram todos os documentos para a equipe dele. Isso que ele disse é mentira", irritou-se Gama, sem deixar de criticar o fechamento da prefeitura, na semana passada:" Você já viu alguém lacrar prefeitura? A prefeitura não é dele, é do povo. Ele tem que parar de fazer gracinha e trabalhar", criticou.

Nome sujo

Perguntado sobre o que seria a principal diferença entre a sua administração e a anterior, Bornier foi duro e claro: 

"Não vou levar o nome de caloteiro na praça. Temos é que recuperar a credibilidade".

Sheila Gama disse que não é o prefeito que faz o calote, mas sim os governos, e rebateu:

"Ele mesmo deixou de passar o dinheiro da Previdência(Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Nova Iguaçu", lembrou a ex-prefeita. "Ele(Bornier) não é uma pessoa que eu respeite".

Ironia no TCE

Ao falar sobre a atuação do Tribunal de Contas do Estado(TCE), o prefeito declarou que soubera que o Tribunal estivera em outros municípios da Baixada Fluminense, e fez a seguinte pergunta:"Será que eles vêm para cá?", ironizou. O detalhe é que O TCE tem como vice-presidente Aluísio Gama, nada mais do que o marido de Sheila Gama. Ela contra-atacou o que classificou como "maldade" da parte de Bornier:

"Ele conhece o meu marido, e precisava é fazer um governo com a metade da competência que ele(Aluísio) fez", disse Sheila, lembrando a administração de Aluísio Gama à frente do município, entre 1989 a 1993.

Questão do Lixo

Bornier informou ainda que já fez um contrato de emergência de 180 dias, no valor de R$ 3,8 milhões, com a empresa Lipa para solucionar o problema do lixo na cidade, que se acumula nas ruas desde o fim da gestão anterior, de Sheila Gama. Paralelamente ao tempo do contrato emergencial, será feito um edital de licitação, ainda sem data de lançamento, para resolver a questão do lixo, que afeta não só o município, como toda a Baixada.

A questão, claro, não poderia deixar de ter críticas de Bornier e contraataques de Gama. Bornier lembrou que Sheila Gama havia feito somente contratos de emergência para a coleta do lixo no município, e que teria deixado a coleta de lado após a derrota nas eleições.

Sheila lembrou que fez duas licitações, mas que a coleta de lixo trabalhou até o dia 31 de dezembro normalmente em sua administração, e que a cidade está "uma lixeira":

"Ele não tem o direito de fazer isso por falta de competência ou até de ato político. Ele quer é me atingir, mas não tem nada pra falar de mim", finalizou a ex-prefeita.