Prefeitura mantém alunos na Escola Friedenreich, apenas em 2013

Secretária Claudia Costin, no entanto, evitou oficializar a decisão

A Escola Municipal Friedenreich, que funciona dentro do Maracanã, permanecerá ali durante o ano letivo de 2013, decidiu a Secretaria municipal de Educação. Os pais receberam a garantia de que os alunos só serão remanejados quando outro prédio estiver pronto.

A determinação do município de certa forma vai contra as pretensões do governador Sérgio Cabral. Ele desejava derrubar o prédio nestas férias de fim de ano, como parte do conjunto de demolições no entorno do complexo esportivo, que também devem afetar o Parque Aquático Julio Delamare, o Estádio de Atletismo Célio de Barros e o antigo Museu do Índio.

A secretária Claudia Costin informou a decisão, por meio de um telefonema, aos membros do movimento Meu Rio, que tem mobilizado a sociedade em defesa da escola. Rafael Rezende, um dos que lutam pela permanência da Friedenreiche, conversou diretamente com a representante do governo e diz que a prefeitura se comprometeu com os pais e funcionários a não remover a escola até que a nova sede esteja pronta. Costin, no entanto, se negou a divulgar um comunicado oficial:

"A secretária disse que não haveria nota oficial da prefeitura, mas deu a sua palavra", esclareceu Rezende.

Costin também transmitiu a mensagem, por e-mail, para representantes dos pais dos alunos da instituição de ensino. 

"Esta informação procede, sim. O Regis Fischner, do governo estadual, me garantiu que a Friedenreich poderá continuar onde está até a nova escola ficar pronta", escreveu na mensagem aos pais de alunos.

Em nota oficial, o movimento Meu Rio classificou a decisão como "uma ótima notícia" e afirma que "pais, alunos e professores esperam que durante esse tempo seja travado um diálogo com a comunidade escolar para definir o melhor destino para a escola".

Luta agora é pelo tombamento

O foco da mobilização deve ser, a partir de agora, a luta para que o tombamento do colégio - aprovado no último dia 18 pela Câmara dos Vereadores - seja mantido. O prefeito Eduardo Paes, no último dia 21, prometeu vetar o projeto de lei, chamado por ele de "besteira demagógica" durante visita ao Morro da Providência, para testes do teleférico da comunidade.

Os ativistas acreditam que, com a continuidade a pressão da sociedade civil, o prefeito mude de decisão e acate a deliberação do Executivo municipal.