Ministro da Saúde vistoria medidas para melhorias no Into

Realização de cirurgias aos sábados e informatização na marcação de consultas são algumas das ações

O ministro da saúde, Alexandre Padilha, visitou na manhã deste sábado (8) o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into), na Zona Portuária do Rio de Janeiro. O motivo de sua visita foi para vistoriar a ampliação de cirurgias aos sábados na unidade. Esta é uma das novas medidas adotadas pelo ministério a fim de solucionar as enormes filas para as vagas no local. 

Já neste sábado, o número de cirurgias subiu de 20 para 30, em sete salas, que acontecerão das 9 às 19h. Segundo o ministro, no próximo sábado (15) serão feitas uma média de 45 a 50 cirurgias em 10 salas, e, o esforço para diminuir o tempo de espera dos pacientes, será permanente. 

De acordo com a assessoria do Into, a Fundação Saúde fez um concurso público em 2011 para contratação de médicos para o estado. Estes profissionais estão sendo cedidos e serão remanejados para complementar o quadro da unidade localizada na Zona Portuária. A saída serve para aumentar o quadro cirúrgico e realizar o mutirão nos sábados, pelos quais os médicos receberão bônus. Não foi informado quantos profissionais participarão desta ação. A equipe do Into conta com 600 médicos atualmente. A área ambulatorial atende atualmente 305 mil pessoas por ano. E a unidade de fisioterapia conta com 86 mil atendimentos anuais. 

Com o mutirão de atendimentos no sábado o número de cirurgias por mês no Into, que atualmente é de 630, aumentará em 200. “Até o mês de novembro de 2012, o Into havia feito sete mil cirurgias. Agora esperamos ter um incremento de 5.600 cirurgias por ano”, ele declara.

A estimativa é que haja 21 mil pessoas na fila esperando para serem operadas. O tempo de espera é variado, de três meses a quatro anos, pois depende da complexidade da intervenção. Segundo Padilha, haverá uma avaliação para verificar algum grau de priorização de casos, com uma análise médica, confirmando desta forma as posições dos pacientes na fila para o atendimento, podendo acelerar o processo.

O Ministério da Saúde implantou um conjunto de ações nesta quinta (6) para aumentar a capacidade de atendimentos no Into e nos hospitais estaduais do Rio e, assim, diminuir o tempo de espera dos pacientes por consultas e cirurgias. Agora, os agendamentos serão feitos integrados ao SISREG, sistema informatizado disponível em todas as unidades de saúde do Rio. Com isso, as filas presenciais no Into deixarão de existir.

Os pacientes que residem na capital poderão ir a qualquer unidade básica de saúde para marcarem as consultas. Os que vivem em outros municípios devem ir às unidades básicas de saúde que os acompanham. Estas unidades agendarão os atendimentos com os hospitais especializados. As medidas têm como objetivo desafogar as filas e evitar os transtornos, como o que aconteceu no começo da última semana, quando milhares de pessoas foram tentar marcar uma consulta no Into. 

Em 2013, os hospitais estaduais de Traumatologia e Ortopedia Ulysess Guimarães, em Angra do Reis, Dona Lindu, em Paraíba do Sul e São Francisco de Assis, no Rio, passarão a realizar juntos mais 500 cirurgias por mês, e assim ampliando para 11.600 as cirurgias no Rio, e auxiliando no plano de melhorias para o atendimento.

*Do Projeto de Estágio do Jornal do Brasil